O Papa Francisco, a reforma da saúde do presidente dos EUA, Barack Obama, o ex-analista da CIA Edward Snowden e o senador republicano Ted Cruz se situaram entre os dez nomes mais citados em inglês na rede nos últimos meses.

“Tanto os blogs, que são usados principalmente para publicar opiniões políticas, como os meios de comunicação, fazem com que a política tenha uma grande presença nos conteúdos da rede”, destacou à Agência Efe Paul J Payack, presidente da “The Global Language Monitor”, a empresa que realiza um estudo anual a respeito.

A empresa, radicada em Austin (Texas), estuda anualmente milhares de páginas web em inglês de todo o mundo, 275 mil meios de comunicação anglo-saxões, milhões de blogs e também comentários em redes sociais para detectar as palavras mais usadas na rede.

O Papa Francisco se transformou no personagem mais citado no mundo virtual anglo-saxão, acompanhado por outros nomes próprios, de cunho muito político.

Na segunda posição está a reforma da saúde promovida pela Administração americana, conhecida como “Obamacare”, em terceiro, a sigla “NSA” pela polêmica por espionagem vinculada a esta agência federal dos EUA, e em quarto, Snowden, que revelou o caso.

Não faltaram na lista Ted Cruz, o senador do “Tea Party” dos EUA que personificou a oposição republicana à reforma da saúde (sétimo); Chris Christie, governador de Nova Jersey que desponta como possível candidato presidencial conservador em 2016 (oitavo), e Kate Middleton, que inclui algo de vida social na lista como duquesa de Cambridge (quarta).

Entre os nomes comuns mais presentes, neste ano se situou como líder “404”, o código universal para indicar um erro em uma página na Internet, mas também outros de notável peso político como “drones”, os aviões não-tripulados que as grandes potências usam cada vez mais, e “sequestration”, em relação aos cortes automáticos de gasto público nos EUA

Da mesma maneira que Ted Cruz emergiu entre os mais citados, o mesmo aconteceu na categoria correspondente com palavras como “filibuster”, maratona dialética que o próprio legislador fez durante 21 horas para bloquear uma votação no Senado, e “déficit”, especialmente vinculado com a política orçamentária americana.

Sem dúvida, parte das palavras mais citadas, como “toxic politics” (política tóxica), “climate change” (mudança climática) e “fail” (falha) desprendem negativismo.

“É uma tendência que vemos em crescimento nas democracias ocidentais: com a chegada da internet e os blogs, a política ficou mais tóxica, negativa, mais abrasiva”, analisou o presidente e chefe de análise da companhia de monitoração na rede.

“The Global Language Monitor” calcula que 1,8 bilhões de usuários formam a comunidade em linha em inglês. 

Sem mais artigos