Realidade virtual voltou com força nos últimos anos

Divulgação Realidade virtual voltou com força nos últimos anos

No próximo dia 16 de julho, São Paulo recebe o primeiro congresso de realidade virtual do Brasil. Dedicado a discussão comercial de conteúdos e plataformas, o BRVR receberá convidados de diversas áreas de produção, como cinema, games e redes sociais.

Amplamente discutida na década de 90, a realidade virtual acabou perdendo força na virada do século, mas voltou a figurar entre assuntos de interesse do mercado após a Oculus Rift ser comprada pelo Facebook por US$ 2 bilhões (cerca de R$ 6,8 bi) em 2014.

Aqui no Brasil, a realidade virtual ganhou relevância e já busca seu espaço no setor de pesquisa, produção de hardware e desenvolvimento de novas aplicações comerciais e de conteúdo de entretenimento.

Focado nisso, o organizador e curador da BRVR, Fabio Hofnik, acredita que a tecnologia pode trazer uma boa saída para o mercado em tempos de crise financeira. “Em situação de crise, você sempre precisar reduzir custos. A realidade virtual por ser digital pode reproduzir com um ótimo nível de realismo situações com menor orçamento, por exemplo treinamentos não presenciais, situações de risco, educação a distância.  Uma vez que o produtor de conteúdo tem a simulação na realidade virtual, esse conteúdo pode ser reproduzido com um custo bem reduzido para praticamente qualquer aparelho de reprodução de vídeo conectado a Internet”, disse ele, em entrevista ao Virgula.

Entre os palestrantes e convidados, a BRVR receberá Ricardo Laganaro, diretor da produtora de cinema O2, Orlando Fonseca, produtor de games para PC com atuação no Vale do Silício e Felipe Coimbra e Rodrigo Cerqueira, pioneiros da produção de conteúdo imersivo.

Além disso, o evento abre espaço para o protagonismo feminino com a presença de Ana Ribeiro, desenvolvedora de jogos e do primeiro game em realidade virtual do país, o Pixel Ripped, Camila Ghattas, cofundadora do Diip, estúdio dedicado a soluções integradas em design e tecnologia e da pesquisadora de novas mídias, Marilia Fredini.

“O objetivo final é abrir ao mercado brasileiro a gama de produtores de conteúdo de qualidade que o país tem. Trazer agências de publicidade, tomadores de decisão de grandes marcas, pesquisadores e acadêmicos, criativos e produtores ao universo da realidade virtual, seus produtos e mercado atual. Também teremos diversas palestras e debates sobre teoria e prática da produção de conteúdo imersivo, vídeo, áudio, games, filmes etc.”, completou Fabio.

O congresso acontece no Auditório da FIAP, na Avenida Lins de Vasconcelos, 1264, Aclimação, São Paulo, e as inscrições custam R$ 80 em seu primeiro lote. Você pode conferir outras informações no site do evento.

Sem mais artigos