O acervo de quase meio século da Bloch, editora responsável pela publicação de revistas como a Manchete e a Fatos e Fotos, deve ir a leilão em abril ou maio. Ao todo, são 12 milhões de fotos, cromos e negativos que retratam os principais fatos ocorridos no Brasil e no mundo entre 1952 e 2000, além do arquivo jornalístico que contém milhares de coleções completas das revistas. O material é avaliado em R$ 2 milhões.

Conforme o relatório de avaliação feito pelo escritório leiloeiro Fernando Braga, o estado de conservação dos materiais é “regular”. O patrimônio se encontra abrigado desde 2006 num galpão de 1,5 mil metros quadrados em Água Grande, zona norte do Rio, uma área onde já funcionou uma gráfica.

Empresas de comunicação e instituições voltadas à preservação da memória deverão estar presentes no leilão.

O arquivo tem fotos publicadas na Amiga, Desfile, Sétimo Céu, Geográfica Universal e Pais & Filhos, além das sobras, que não chegaram às revistas. As mais expressivas foram publicadas na Manchete – entre registros do casamento de Ronaldo Bôscoli e Elis Regina, a guerra do Vietnã, o dia a dia da então Miss Brasil Vera Fischer, a volta de Chico Buarque e Marieta Severo do exílio na Itália, a demarcação da Amazônia, a deposição de Jango.

A Bloch Editores abriu falência há nove anos.

Sem mais artigos