A economia brasileira deve crescer em torno de 1,2% neste ano, segundo cálculos do Ipea, entidade vinculada à Presidência da República. Em entrevista concedida na quinta-feira (15), após a divulgação da Carta de Conjuntura de setembro, os economistas do instituto João Sicsú e Roberto Messenberg afirmaram que a recuperação da economia vai continuar no 2º semestre, puxada pelo consumo interno.

Pelas projeções do Instituto, o consumo interno irá puxar a economia neste último trimestre e o investimento virá como decorrência desse processo. Para 2010, a previsão é de que a economia registre expansão em torno dos 5%, voltando ao patamar pré-crise.

Sicsú, diretor de Políticas Macroeconômicas do Ipea, apontou ainda o emprego formal como outro indicador positivo na economia. Já o coordenador do Grupo de Análises e Previsões do IPEA, Roberto Messenberg revelou que o crescimento poderia ser maior se não fosse a possível elevação da taxa Selic. Além disso, Messenberg ressalta a valorização do real como outro fator que impede uma recuperação mais acelerada da indústria.

Economistas do Ipea lembram que o juro mais alto e o câmbio valorizado atrapalham, mas não impedem o crescimento do país. Porém, o diretor do MBA da FAAP, o economista Tharcisio Souza Santos, é contrário a qualquer tipo de intervenção cambial. Atualmente, a taxa básica de juros do país está em 8,75% ao ano, o patamar mais baixo da história.

Já a projeção dos economistas para a Selic em dezembro é de 10,25% ao ano, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central.

Sem mais artigos