O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, confirmou hoje a nacionalização do Banco da Venezuela, filial do grupo espanhol Santander, e desmentiu os rumores de que as negociações entre as partes foram adiadas até o ano que vem.

“Hoje, retomamos o assunto, e anuncio a nacionalização do Banco da Venezuela”, disse Chávez. O governante explicou que a medida foi tomada para “dar mais força ao sistema bancário público nacional e poder impulsionar muito mais as políticas de desenvolvimento econômico e social”.

O primeiro anúncio sobre a nacionalização do Banco da Venezuela foi feito por Chávez no fim de julho de 2008. O Governo e o Grupo Santander passaram o segundo semestre do ano passado negociando, a ponto de terem surgido versões de que um acordo seria alcançado até dezembro. No entanto, a crise financeira internacional esfriou os contatos e, aparentemente, o processo de nacionalização ficou em suspense.

Quando a nacionalização da filial do Santander for concluída, o Estado venezuelano terá 16,44% do total de créditos concedidos pelos bancos e 24,38% dos depósitos, segundo fontes financeiras. Atualmente, o Banco da Venezuela é responsável por 11,59% do total de créditos concedidos e por 11% dos depósitos, o que faz dele o terceiro maior banco do país.

Sem mais artigos