A Copa do Mundo de 2014 no Brasil ainda não tem as cidades-sede definidas, mas o governo começa a se mobilizar no planejamento das obras. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a Fifa e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) assinaram um termo para que ex-presidiários façam parte das construções do Mundial.

O responsável por fazer o anúncio nesta sexta-feira (3) foi o presidente do CNJ, o ministro Gilmar Mendes. Segundo o político, a iniciativa tem como objetivo dar oportunidade aos presos com o intuito de evitar que eles retornem para a criminalidade.

A participação dos ex-presidiários nas obras faz parte do programa “Começar de Novo” do governo, que desde o fim de 2008 promove a reintegração social de homens e mulheres que já cumpriram a pena.

Sem mais artigos