A Corte Suprema de Apelações de Malauí decidiu hoje Madonna poderá fazer uma segunda adoção no país, a da menina Mercy, de 4 anos, conforme informou o jornal Nyasa Times em seu site.

 

Segundo o advogado de Madonna em Malauí, Allan Chinula, o tribunal, liderado pelo juiz Lovemore Munlo, levou em conta que a cantora “mostrou seu compromisso de ajudar as crianças com problemas no país”, por isso decidiu autorizar a adoção.

 

Chinula acrescentou que Chifundo James, o verdadeiro nome de Mercy, poderá agora se juntar ao pequeno David Banda, adotado por Madonna em 2006.

 

Em 3 de abril, o Tribunal Superior de Lilongwe rejeitou o pedido de Madonna para uma segunda adoção em Malauí, porque não cumpria os requisitos impostos pela lei do país.

 

O Tribunal de Lilongwe indicou então como causas da negação que Madonna não tinha residido 18 meses no país e também alegou que tinha se divorciado recentemente de Guy Ritchie.

 

As normas do país exigem esse período de estadia e indicam que apenas um casal pode adotar. No entanto, o Tribunal de Apelações indicou hoje que a exigência de residência é uma barreira “arcaica”, que não pode impedir a adoção.

 

Mercy, cuja mãe morreu pouco após o nascimento da criança, passou toda a vida em um orfanato do sul de Malauí. Acompanhada pela filha de 12 anos, Lourdes, e seguida pela imprensa internacional, Madonna esteve entre o final de abril e o início de maio em Malauí, onde antes já tinha adotado David.

 

Além de David, cuja adoção gerou polêmica, após as autoridades de Malauí serem acusadas de burlar a lei para permiti-la, Madonna tem dois filhos biológicos: Lourdes, fruto de uma relação com seu ex-preparador físico Carlos León, e Rocco, de seu casamento com Ritchie.

Sem mais artigos