O aquecimento global está provocando uma situação inusitada. O derretimento das calotas polares deixa expostas porções de água antes cobertas por gelo. Assim, plantas marinhas, como o fitoplâncton, têm a possibilidade de melhor se desenvolver. Acontece que o fitoplâncton é um dos principais responsáveis por absorver o gás carbônico da atmosfera que, por sua vez, é um dos principais causadores do efeito estufa e consequente aumento da temperatura.

O estudo, publicado no jornal científico Global Change Biology e desenvolvido por cientistas britânicos ao analisar geleiras na Antártida, calculou que a absorção de CO2 é da ordem de 3,5 milhões de toneladas de carbono.

Para um dos envolvidos no estudo, o professor Lloyd Peck, o valor pode parecer pequeno frente aos mais de 8,5 bilhões de toneladas de CO2 anuais emitidos atualmente pela queima de combustíveis fósseis, mas a descoberta é importante para demonstrar a capacidade de recuperação da natureza e também para que novos cálculos sobre mudança climática sejam feitos com melhor precisão.

Paradoxo
 
Segundo entrevista do professor Peck publicado essa semana pela revista Science Daily, o derretimento de geleiras gerou uma área de 24 mil km² de mar aberto, algo como o tamanho de Israel, e um consequente pólo de absorção de CO2 por fitoplâncton que representa o segundo maior fator a atuar contra o aquecimento global, logo atrás de novas florestas que estão surgindo no Ártico também por conta do derretimento da cobertura de neve.

Curiosamente, derretimento de geleiras atua contra o aquecimento global

Sem mais artigos