Paixão nacional e motivo de alegrias em muitas oportunidades, o futebol brasileiro também é marcado por grandes decepções para os torcedores. A derrota do Cruzeiro para o Estudiantes, com mais de 50 mil cruzeirenses tristes no Mineirão, é apenas mais um grande impacto para o amante da bola. Aproveitando esse momento de marasmo dos mineiros e a infeliz comemoração dos 59 anos do Maracanazzo nesta quinta-feira (16), o VirgulaEsporte listou as cinco principais decepções brasileiras em competições internacionais no futebol.

A primeira, como não poderia ser diferente, é a Copa do Mundo de 1950. Decisão contra o Uruguai e a festa pronta para o Brasil ser campeão pela primeira vez na história. O título parecia ainda mais certo quando Friaça abriu o placar, mas Schiaffino e Giggia não deixaram barato e viraram a partida para os uruguaios, fazendo mais de 200 mil brasileiros chorarem no Maracanã. Nesta quinta-feira, a “tragédia” comemora 59 anos, e o termo Maracanazzo sempre é lembrado a cada grande zebra nacional.

Ainda em Copas do Mundo, os brasileiros voltaram a sofrer um grande baque em 1982. O time comandado por Tele Santana, que tinha Falcão, Zico, Junior, Leandro, Socrates, Cerezo, entre outros, brilhava na Espanha. A equipe é lembrada até os dias de hoje por ter sido uma das seleções brasileiras com o futebol mais bonito, mas não o suficiente para ser campeã. Com três gols de Rossi, os italianos eliminaram o Brasil da competição na partida conhecida como Tragédia de Sarrià, local do jogo.

O pentacampeonato em 1998 parecia praticamente certo. Ronaldo dava show nos gramados franceses na Copa do Mundo e Taffarel garantia a meta do país com grandes defesas. No entanto, o time não contava com um show de Zidane, um dos maiores atletas de todos os tempos, que com dois gols de cabeça colocou a França na frente do placar na decisão. Os franceses ainda tiveram tempo de fazer o terceiro com Petit, e frustraram toda a torcida canarinho.

Mais isolada, mas como grande repercussão também, os corintianos sofreram uma dura derrota em 2006, na Libertadores. O time montado pela MSI era um esquadrão com Tevez, Mascherano, Nilmar, Roger e Carlos Alberto, porém, nas oitavas-de-final, a equipe sucumbiu em pleno Pacaembu frente ao River, de D’Alessandro. A decepção foi tamanha que os torcedores da agremiação paulista tentaram invadir o gramado e provocaram uma grande confusão com a polícia.

A chance da primeira conquista da Libertadores estava perto em 2008 para o Fluminense. O adversário, a LDU, não tinha grande apelo no cenário sul-americano, mas o resultado no jogo de ida, 4 a 2 para os equatorianos, complicou a situação do time tricolor. Mesmo assim, a esperança foi mantida para uma virada no Maracanã e a equipe, liderada por Washington e Thiago Neves, fez 3 a 1 em casa. Mas, o placar levou a partida para os pênaltis, e o time carioca acabou sendo derrotado e viu a atmosfera do estádio tornar-se novamente um Maracanazzo.

Sem mais artigos