Um grupo de deputados avalia a possibilidade de, na esteira do Supremo Tribunal Federal e da Procuradoria-Geral da República, protocolar uma Proposta de Emenda Constitucional para equiparar os salários dos Três Poderes, possibilitando que o reajuste conseguido pelos ministros do STF seja repassado para deputados, senadores e para o presidente da República.

Assim, os parlamentares passariam a ganhar R$ 25.725, valor que subiria para R$ 26.723 em fevereiro, quando passará a valer o novo salário, reajustado em 3,88%. Atualmente, o salário dos deputados é de R$ 16.512, enquanto o presidente Luiz Inácio recebe R$ 11.420.

Uma das divergências diz respeito ao início do novo salário, já que alguns parlamentares defendem a entrada em vigor da equiparação após a posse dos eleitos em 2011, enquanto outros acreditam que podem se beneficiar do reajuste no ano que vem. Para o líder do PTB na Câmara, Jovair Arantes (GO), a reivindicação da equiparação é antiga e “talvez só o PTB tenha enfrentado isso mais efetivamente, e agora o PSOL”.

Um dos responsáveis pela elaboração da PEC, o vice-líder do governo, Ricardo Barros (PP-PR), revelou não acreditar que, neste momento, seja possível a discussão, já que “não temos como discutir essa questão sem um grande desgaste”. Os deputados não abrem mão dos benefícios (que podem chegar a R$ 34 mil, dependendo do Estado de origem do parlamentar), mesmo com o reajuste.

Sem mais artigos