A indústria brasileira subestimou a capacidade de recuperação da economia em 2009 e agora acelera a reposição de seus estoques. Esse é um dos motivos pelos quais o Produto Interno Bruto do país deverá crescer em ritmo muito comum em países como China e Índia no terceiro trimestre do ano, em comparação com o mesmo período do ano passado.
 
Consultorias independentes apontam que o avanço da economia deverá chegar a 9% entre julho e setembro deste ano. No entanto, a previsão oficial é ainda mais otimista. Nesta terça-feira, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o governo aposta em crescimento econômico de 10% para o período.
 
O economista-chefe da LCA Consultores, Bráulio Borges, disse para a reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, que a economia brasileira crescerá 2,1% no terceiro trimestre, na comparação com o anterior. “Na taxa anualizada, isso corresponde a 8,7%. Porém, esse desempenho não será repetido no quarto trimestre”.
 
O principal motivo para o grande avanço da economia brasileira no terceiro trimestre é a recomposição dos estoques na indústria. Quando a crise chegou, muitos empresários não acreditavam uma retomada econômica tão rápida e optaram por cortar a oferta. Com a reação do mercado, eles voltaram a realizar compras.

Borges explica que chegou a faltar produtos por conta do corte da produção dos trimestres anteriores. “Foi o que aconteceu com eletrodomésticos da linha branca e nos carros, ambos setores que tiveram corte de impostos para incentivar as vendas”.
 
Quem também aposta em um crescimento de 9% anualizado entre julho e setembro é o sócio da RC Consultores, Fábio Silveira. A projeção para o segundo trimestre do ano é de avanço de 6%. Ele também atribuiu a retomada acelerada é por conta da recomposição dos estoques.
 
O crescimento econômico poderia ser ainda maior na visão de Bernardo Wjuniski, economista da Tendências Consultoria Integrada. Para ele, ainda deve demorar para que as exportações voltem ao mesmo nível de antes da crise, já que esse movimento atual é por conta da demanda do mercado interno.
 
Para o próximo ano, as consultorias esperam crescimento do PIB entre 3,7% e 5,6%, sem pressões inflacionárias, problema que deve ficar para 2011.

Sem mais artigos