Convocada como testemunha de defesa do presidente do PTB, Roberto Jefferson, e do ex-líder do PP, José Janene, no caso do Mensalão, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou que não tinha conhecimento sobre o caso até que ele ganhasse as manchetes dos jornais.


 


“Não tinha conhecimento. Eu não tinha ouvido. Tomei conhecimento, até mesmo do nome [Mensalão], pela imprensa”, disse a ministra. Dilma depõe à juíza da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, Poliana Kelly, há quase duas horas, no prédio provisório da Presidência da República, o Centro Cultural Banco do Brasil.


 


A ministra também negou que Janene, Jefferson ou qualquer outra pessoa tenha exigido vantagens para votar a favor de mudanças no setor elétrico. Quando questionada sobre sua opinião pessoal a respeito do ex-ministro José Dirceu, ela respondeu que o considera uma pessoa injustiçada e disse que tem grande respeito por ele.


 


Dilma também disse não poder afirmar se Dirceu administrava questões internas do PT até o surgimento das denúncias e que não tem conhecimento de que ele tenha beneficiado instituições financeiras que trabalham com crédito consignado.

Em depoimento à Justiça, Dilma diz que só soube do Mensalão pela imprensa

Sem mais artigos