Um estudo realizado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) nos Estados Unidos revelou nesta quarta-feira (14) que 55% das pessoas que morreram por causa da nova gripe (H1N1) tinham outros tipos de doenças. Outras 45% pareciam saudáveis.

De acordo com o estudo, as condições subjacentes mais comuns nos adultos mortos eram asma, doenças pulmonares crônicas, doenças cardíacas crônicas imunossupressão. Já entre as crianças infectadas, foram apontadas doenças neurológicas e neuromusculares, doença pulmonar crônica, asma, anemia falciforme e outras desordens sanguíneas.

Entre as vítimas fatais, 6% estavam grávidas. A infecção nestes casos é mais grave, uma vez que as mulheres gestantes têm seus sistemas imunológicos suprimidos para que o organismo não rejeite o feto.

O CDC recolheu dados de 1.400 adultos e 500 crianças hospitalizadas com gripe suína em dez Estados. As conclusões dão conta que os casos mais sérios ocorrem em pessoas com menos de 65 anos. Segundo o centro, 81 crianças morreram da gripe suína no país.

Vacina

Uma representante do CDC, Anne Schuchat, informou que versões injetáveis da vacina contra a gripe suína – adequada para bebês, pessoas com asma e maiores de 50 anos, serão disponibilizadas ainda nesta semana nos EUA.

O país investiu US$ 2 bilhões para a compra de 250 milhões de doses da vacina. No entanto, Anne relatou que o programa de vacinação continua lento.

Sem mais artigos