A segunda e última noite da edição de 2009 do festival pernambucano Abril
Pro Rock reuniu diversas gerações de bandas independentes no Chevrolet Hall, em
Olinda. Ontem (18), nomes desconhecidos e artistas já consagrados reuniram-se
sob uma mesma palavra de ordem: a alegria.

Quem abriu a noite foi Johnny
Hooker & Candeias Rock City
(PE), e um público de 300 pessoas (que
depois se transformaria em 3 mil) viu a apresentação mais polêmica do evento:
duas dançarinas desnudas da cintura para cima se enroscaram no andrógino Johnny,
um híbrido de David Bowie, Madonna e Marilyn Manson.

Na sequência, veio a The
Keith
(PE), com seu rock bem parecido (até demais!) com o do grupo americano
The Strokes. Depois foi a vez do pop/rock da Vivendo do Ócio (BA), banda campeã
do festival GAS Sound, realizado no ano passado.

De volta ao Abril depois de quatro anos, a Retrofoguetes (BA) mandou ver com surf
rock instrumental e fez bonito mais uma vez. Outra atração que voltou ao
festival foi Jon Spencer, da Jon Spencer Blues Explosion, desta vez
ao lado de Matt Verta-Ray em seu projeto Heavy Trash (USA). Rockabilly dos bons,
caprichado do som ao figurino, bem no estilo dos anos 50, além do carisma ímpar
de Spencer.

Despedindo-se do Recife e rumando para São Paulo em busca de novas
oportunidades, a Volver (PE) teve
seu rock alegre cantado por boa parte da plateia, mostrando que eles conseguiram
firmar o nome na cena local. Quem também está bem na fita no cenário
independente, mas já em nível nacional, é a big band Móveis Coloniais de Acaju (DF). Como
fazem em todos os shows, os metais desceram do palco e se misturaram ao público,
em uma das apresentações mais divertidas do APR.

A Mundo Livre S/A (PE) está
comemorando 25 anos, e ainda está com todo gás. Fred 04 e sua trupe animou os
presentes com um repertório que misturou hits e músicas desconhecidas, como a
inédita “Ela é indie”, que brinca em sua letra que “ela não entende o
mangueboy”.

Quem fez o último show da noite e encerrou o festivel foi Marcelo Camelo (RJ), de banquinho,
violão e plateia aos seus pés, cantando junto todas as canções. Para os órfãos
do Los Hermanos, “Pois é”, “Morena”
e “Além do que se vê” aliviaram a saudade. Em tempo: Mallu Magalhães, namorada do cantor que
o acompanhou na viagem, ficou no hotel, e não conferiu a apresentação do
hermano.

 

Sem mais artigos