Analistas do mercado financeiro aumentaram ligeiramente a projeção para o crescimento da economia neste ano. A estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, passou de 0,20% para 0,21%. Para 2010, a projeção foi mantida em 5%.

As informações constam do boletim Focus, publicação semanal elaborada pelo Banco Central (BC) com base em estimativas de analistas do mercado financeiro para os principais indicadores da economia.

Além da estimativa para o PIB, o boletim Focus divulga projeções para outros indicadores. No caso da produção industrial, os analistas esperam retração neste ano, com recuperação em 2010. A expectativa para 2009 passou de -7,72% para -7,73%. Para o próximo ano, a estimativa de crescimento da produção industrial passou de 6,88% para 6,85%.

A projeção para a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB foi alterada de 44,05% para 44,30%, em 2009, e de 42,35% para 42,50%, em 2010.

Já a expectativa para a cotação do dólar foi mantida em R$ 1,70 ao final deste ano e em R$ 1,75 ao fim de 2010.

A previsão para o superavit comercial (saldo positivo de exportações menos importações) neste ano foi mantida em US$ 25 bilhões. Para 2010, os analistas reduziram a estimativa de US$ 13 bilhões para US$ 12 bilhões.

Para o deficit em transações correntes (registro das transações de compra e venda de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior) neste ano, os analistas alteraram a estimativa de US$ 17,52 bilhões para US$ 18 bilhões. Para 2010, foi ajustada a projeção de deficit de US$ 36 bilhões para US$ 37 bilhões.

A expectativa para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) foi mantida em US$ 25 bilhões, em 2009, e em US$ 35 bilhões, em 2010.

Juros

Na opinião dos analistas, o aumento da taxa básica de juros, a Selic, ficará para 2010. Atualmente, os juros básicos estão em 8,75% ao ano. Segundo o boletim Focus, divulgado pelo Banco Central (BC), a expectativa de estabilidade da Selic neste ano permanece há 24 semanas.

Para os analistas, a Selic deve encerrar o período em 10,63%. No boletim anterior, a previsão era de 10,50%.

A taxa básica de juros é usada pelo BC para controlar a inflação. O governo escolheu o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para acompanhar a meta de inflação, que tem como centro 4,5% tanto para 2009 quanto para o próximo ano. Essa meta tem limite inferior de 2,5% e superior de 6,5%.

Os analistas esperam que o IPCA se aproxime do centro da meta em 2010, ficando em 4,48%, contra os 4,45% previstos anteriormente. Para este ano, a projeção passou de 4,25% para 4,26%.

Sem mais artigos