O ministro de Assuntos Exteriores alemão, Guido Westerwelle, disse não esperar que o fato de ser homossexual gere problemas para a política externa do país.

“Sou presidente do Partido Liberal (FDP) há quase nove anos e, como tal, fiz viagens oficiais ao exterior regularmente”, aponta o líder da legenda em declarações à revista <i>Der Spiegel</i>.

Em todo esse tempo, “nunca houve uma só dificuldade ou situação embaraçosa pelo fato de eu viver com um homem”, afirmou Westerwelle.

“Além disso, seria um fracasso moral se deixássemos limitar nossas liberdades porque outros não as compartilham”, concluiu o líder do FDP e vice-chanceler do Governo de centro-direita da chanceler alemã, Angela Merkel.

Westerwelle aparece regularmente em público com seu parceiro, Michael Mronz. Na Alemanha, a questão não despertou controvérsia e a mídia tem feito ressalvas a sua nomeação para a pasta de Assuntos Exteriores apenas por não ter muita identificação com a atuação em política externa.

Sem mais artigos