O laboratório suíço Novartis, que desenvolveu uma vacina contra a gripe suína, disse nesta segunda-feira (15) que rejeitará o pedido da Organização Mundial de Saúde (OMS) e não vai distribuir gratuitamente aos países mais pobres o medicamento de combate ao vírus influenza A (H1N1).

Segundo Daniel Vasella, conselheiro do laboratório, a Novartis estuda a possibilidade de reduzir o custo das vacinas para estes países, mas não está disposta a entregar o remédio sem custo algum.

“Se pretendem que a produção [das vacinas] seja sustentável, têm que criar incentivos financeiros”, disse Vasella, acrescentando que os próprios países em desenvolvimento ou os países ricos devem pagar pelas vacinas com seus programas de ajuda humanitária.

A recusa da Novartis aponta ainda uma divisão dentro do setor farmacêutico já que o britânico GlaxoSmithKline se comprometeu a distribuir gratuitamente aos países mais pobres cerca de 50 milhões de doses de sua vacina contra a gripe suína.

Outros produtores de países em desenvolvimento também prometeram distribuir gratuitamente 10% de sua produção de vacinas.

Segundo Vasella, uma proporção “importante” das vacinas produzidas pelo laboratório suíço já foram reservadas por alguns governos, o que pode gerar problemas de abastecimento até mesmo entre os países mais ricos que pagaram pelo produto.

Sem mais artigos