A maioria das pessoas que fumam no país conhece os malefícios desse hábito, mas não tem intenção de deixar o tabaco a curto prazo. É o que revela um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado nesta sexta-feira (27).

A Pesquisa Especial do Tabagismo analisou dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2008 e seguiu metodologia de estudos internacionais. O objetivo é auxiliar na elaboração de políticas de combate ao fumo no país.

Segundo o documento, 93% dos 24,6 milhões de fumantes brasileiros conhecem os malefícios do produto, como o câncer de pulmão, o ataque cardíaco e o derrame. No entanto, cerca de 47% não pensavam em largar o hábito na data da entrevista e 33,5% até pensavam nisso, mas não nos próximos 12 meses.

De acordo com uma das coordenadoras do levantamento, Marcia Quintslr, o fato de os fumantes  saberem dos malefícios à saúde causados pelo tabaco e mesmo assim não desejarem parar de fumar deve ser alvo de mais estudos. “Os especialista têm que se debruçar sobre isso”, avaliou.

A pesquisa também destacou que 6,7% tentaram abandonar o vício com ajuda de remédios e 15,2% com ajuda de profissionais de saúde. Do total de fumantes entrevistados, 45,6% informaram que fizeram algum tipo de tentativa.

A pesquisa também mostra que para a decisão de parar de fumar, os fumantes se motivam com campanhas antitabagistas. Os rótulos de advertência nos maços levaram 65% de fumantes a deixar o vício, um ano antes da pesquisa.

Sem mais artigos