Normal
0
21

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4


/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

O São Paulo Fashion Week anunciou a assinatura de um termo de compromisso com o Ministério Público do Estado de São Paulo comprometendo-se a sugerir que as grifes de seu line up cumpram uma cota mínima de 10% de modelos negros, afrodescentenes ou indígenas em seus desfiles.

Após investigações do MP foi concluído que não havia discriminação racial por parte do evento, apesar do pequeno número de modelos dessas etnias sobre as passarelas. O termo procura ajustar o SPFW às políticas de inclusão sociocultural do governo federal e terá o prazo de dois anos.

“O SPFW sempre atuou e continuará atuando sem interferir na criação das coleções e desfiles, incluindo neste processo a escolha dos castings de modelos, feitos unicamente pelas marcas e estilistas participantes”, diz a nota oficial da organização.

Veja: Galeria de modelos negras que fizeram história no Brasil e no mundo

SPFW sugere cota de negros e indígenas às suas marcas

Sem mais artigos