Normal
0
21

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4


/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin:0cm;
mso-para-margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:10.0pt;
font-family:”Times New Roman”;
mso-ansi-language:#0400;
mso-fareast-language:#0400;
mso-bidi-language:#0400;}

Um estudo técnico da empresa responsável pelo trem-bala
entre Rio e São Paulo recomenda ao menos oito estações no trajeto.

 

Além das já divulgadas estações de Campinas (início do
trajeto), São Paulo e Rio de Janeiro (final), entrariam na rota uma parada no
aeroporto de Viracopos (Campinas), uma no terminal de Cumbica (Guarulhos), uma
em São José dos Campos, uma no sul fluminense (podendo ser em Barra Mansa,
Volta Redonda ou Resende) e uma no aeroporto do Galeão, já na cidade do Rio. O
percurso seria feito em duas horas. O custo da obra, que é parte do PAC, está estimado em US$ 11
bilhões.

 

O governo federal sugeriu também a construção de estações opcionais,
para uso em épocas específicas. Uma destas seria a de Aparecida do Norte, que
entaria em funcionamento em datas religiosas tipo o dia de Nossa Senhora
Aparecida (12/10).

 

Segundo o documento da empresa do chamado TAV (Trem de Alta
Velocidade), a inglesa Halcrow Group, entre 8 e 10 milhões de passageiros
poderão ser transportados por ano. Isso dá uma média de 22 mil pessoas por dia.
As informações são da Folha de S. Paulo.

 

O cronograma já está atrasado: o estudo técnico tinha como
prazo original o fim do ano passado e só saiu agora. O edital de licitação
agora está previsto para julho. A correria é grande, já que o governo quer que
o trem-bala esteja em operação para a Copa de 2014.

Sem mais artigos