Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul  e São Paulo têm mais celulares que habitantes. Segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), os três estados romperam no mês de julho a barreira de um aparelho de telefonia móvel por habitante, ao registrar índices de teledensidade de 100,62 (RJ); 100,61 (MS); e 100.09 (SP).

Até então, o Distrito Federal era a única região do país a romper a barreira ao registrar o índice de teledensidade de 103,83 em maio de 2005. Atualmente, em julho deste ano, o DF registrou índice de 153,43.

A teledensidade é o indicador utilizado internacionalmente para demonstrar o número de telefones em serviço em cada grupo de 100 habitantes. O Brasil chegou ao índice de 84,61, com um total de 161.922.375 acessos do Serviço Móvel Pessoal.

Índice Brasil

Considerando todo o país, no mês passado o Brasil chegou ao índice de teledensidade de 84,61, com um total de 161.922.375 acessos ao serviço móvel pessoal. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população estimada em todo o país é de 191.480.630 pessoas.

Em julho, foram habilitadas 2.308.868 novas linhas em todo o país. Isso indica crescimento de 1,45% em comparação a junho e de 19,65%, se considerados os últimos 12 meses. Do total, 132.625.256 (81,91%) são pré-pagos e 29.297.119 (18,09%) são pós-pagos.

Empresas

Entre as empresas do setor, a Vivo segue na liderança com 29,38% de participação do mercado em julho. Na sequência vem a Claro, com 25,35%, seguida por Tim (23,75%), Oi (21,15%), CTBC (0,30%), Sercomtel (0,06%) e Unicel (0,01%).

Sem mais artigos