O violonista Clayton Barros, metade da capacidade criativa do recém-separado <b>Cordel do Fogo Encantado</b>, recorreu às redes sociais para enfim fazer um comunicado oficial a respeito do fim de uma das bandas mais queridas do underground da nossa MPB.

Parceiro de longa data do vocalista e letrista Lirinha, Clayton foi o responsável pelas “viajantes” e tradicionalistas harmonias da banda por toda a carreira do Cordel, aproveitando seu perfil no Orkut para comentar o encerramento das atividades do grupo.

“Decidi escrever pensando nas tantas pessoas que nos seguiram, alguns em condições difíceis, sem hospedagem, pouca grana, coração nas mãos em terra estranha. Esses que iluminaram o chão com seus olhares de prazer e satisfação, fazendo de cada show uma celebração”, comentou Clayton, agradecendo o apoio dos fãs.

“Escrevo de coração aberto e mente sã. Com tamanho respeito e consideração aos meus parceiros de estrada, quando muitas vezes longe de casa e da família aliviava a carga da saudade, lutando com unhas e dentes em prol da realização desse sonho. Mas o sonho acabou.”

Mesmo com o fim nebuloso da banda, Claytron não mostrou rancor e fez questão de declarar seu respeito pelos ex-companheiros de Cordel do Fogo Encantado, lamentando a não conclusão do que seria o último disco do grupo.

“Mas esperava um outro fim, mais digno, diante tanto trabalho e dedicação. Não posso omitir que já enxergava os últimos passos dessa empreitada, também não posso negar certa frustração, estando bem perto da realização do que seria nosso último álbum, um naufrágio em plena praia, embarcação abandonada”, escreveu. “Confesso que não há em mim sentimento algum de intriga ou inimizade, tenho amor e admiração por todos: Raphael Almeida, Nego Henrique, Lirinha e Emerson Calado.”

Violonista fala sobre o fim do Cordel do Fogo Encantado

Sem mais artigos