Fat Mike, vocalista da veterana banda punk NOFX, deixou os fãs confusos, atordoados e em choque depois do show solo que fez no festival South By Southwest (SXSW), na pele de sua persona circense, Cokie The Clown, que deu nome ao mais recente EP de sua banda.

Vestido como um palhaço, Mike entrou no palco com uma garrafa de tequila e vários copos pequenos, das quais bebeu o líquido e distribuiu para plateia. Ao fim do show, o cantor exibiu um vídeo gravado minutos antes do evento, onde claramente se vê que ele completou o vasilhame com sua própria urina. Altamente nojento.

Durante o show, Cokie deixou os presentes embasbacados enquanto cantava versões acústicas das músicas do NOFX e contava histórias tristes de sua vida. Entre elas, um episódio em que presenciou um estupro e, mesmo assim, saiu para assistir a um show.

Além disso, Mike falou sobre a problemática relação com seu pai e as dificuldades que enfrentou com sua falecida mãe, então doente em estado terminal de câncer, dando um clima ainda mais pesado para a música My Orphan Year, no NOFX, que conta essa história. O set ainda teve músicas como La Pietá, que fala como ele matou sua mãe a pedido dela, e Drinking Piss (nome sugestivo, hein?).

Cokie The Clown, a música, também estava no setlist que foi encerrado com o clássico Dig, do disco Punk in Drublic, essencial em qualquer coleção do NOFX que se preze.

Quem viu o show teve de lidar com sentimentos estranhos na cidade de Austin. Cáustico e assustador, Mike transformou Cokie em seu alter-ego maníaco-depressivo, algo que ninguém esperava de uma pessoa que sempre viveu à sombra de seu senso de humor como ele.

Veja os vídeos abaixo e se surpreenda com Cokie, ou melhor, Fat Mike.

A história do estupro e sua versão de The Decline

Áudio da música nova, La Pieta

Áudio do clássico Dig

Sem mais artigos