Ativista que libertou animais

Reprodução/Instagram Ativista que libertou animais

Enquanto o mundo inteiro assiste com horror ao festival de carne de cachorro de Yulin, na China, o ativista Marc Ching, dos Estados Unidos, e sua namorada foram até a China e colocaram seu plano em ação: libertaram 1 mil cachorros que estavam em seis abatedouros.

Outros ativistas também estão libertando animais. No festival, que começou na semana passada e dura dez dias, espera-se a matança de 10 mil animais. Na China, estima-se que entre 10 e 20 milhões de cachorros sejam mortos anualmente.

Marc Ching já atuou contra a morte de cachorros em outras cidades da China e no Camboja. Alguma boa alma tinha mesmo que fazer algo por estes pobres catioros.

“Viemos para Yulin dizer às pessoas que os cachorros são nossos amigos. Eles não deveriam matar cachorros desta maneira e muitos dos bichos que eles matam são animais de estimação”, disse um ativista para o Mashable.

“É uma tradição de anos. Nós não podemos mudar simplesmente porque eles amam cachorros”, afirmou um morador local que deu apenas seu sobrenome, Huang, para a The Associated Press. “Desde que eles chegaram, estragaram o clima completamente”, completou.

Sem mais artigos