A ideia de uma boate argentina de organizar um evento em que mulheres loiras entravam de graça, enquanto as morenas tinham que pagar ingresso, provocou polêmica, denúncias e a advertência do organismo argentino contra a discriminação pelo evento.

A polêmica aconteceu na cidade de Nogoyá, na província argentina de Entre Ríos, e ficou conhecida depois da divulgação nas redes sociais de uma foto de um convite do evento, com o anúncio, “Morenas 2×1, Loiras Free”.

Apesar dos descontos especiais costumarem ser frequentes, o mote utilizado pela boate “O Templo D-Raku” em 16 de novembro foi criticada por selecionar as mulheres de acordo com a cor do cabelo.

A delegação em Entre Ríos do Instituto Nacional contra a Discriminação, a Xenofobia e o Racismo (Inadi) advertiu que a boate incorreu em “práticas discriminatórias às mulheres”.

Nessa mesma linha, o organismo argentino se manifestou contra “a naturalização de práticas sociais discriminatórias que estereotipam qualquer grupo humano por características reais ou imaginárias, sejam estas quais forem, positivas ou negativas”.

Os responsáveis da boate pediram desculpas através de sua página no Facebook e esclareceram que, com a promoção, as morenas podiam consumir de graça dentro do lugar, enquanto as loiras tinham que pagar, o que segundo o dono igualaria a situação delas.

“Não pensei que isto levaria as pessoas a se sentirem discriminadas por tal razão. Me equivoquei e assumo toda a responsabilidade”, esclareceu o relações públicas da boate, Diego Ruiz, na mensagem.

Sem mais artigos