A vinte quilômetros (12 milhas) da costa da Inglaterra, o maior parque eólico em mar aberto do mundo já começou a colher a doce brisa do mar. Localizado no estuário do Tâmisa, onde o rio encontra o Mar do Norte, o London Array tornou-se plenamente operacional em abril do ano passado. Vinte dias mais tarde, a Operational Land Imager (OLI), da NASA, capturou uma imagem da área. Os pontos brancos são as turbinas eólicas. Também dá pra ver o rastro de algumas embarcações.

O poder de geração máxima do parque é de 630 megawatts (MW), suficiente para abastecer até 500 mil residências. Até o momento, o London Array inclui 175 turbinas eólicas alinhadas com o vento sudoeste e espalhadas por 100 quilômetros quadrados.

Cada turbina fica de 650 a 1.200 metros de distância entre si e tem 147 metros de altura. Cada uma é ligada a outra por cabos enterrados no fundo do mar. A energia produzida vai para duas estações de energia em mar aberto e, depois, transmitida para outra estação em terra firme.

O parque eólico está assentado sobre dois bancos de areia naturais, com águas que não chegam à profundidade de 25 metros. O local foi escolhido por causa de sua proximidade com a infraestrutura de energia elétrica e porque fica fora das principais rotas de navegação.

Os responsáveis pelo projeto afirmam que há potencial de reduzir em mais de 900 mil toneladas as emissões de dióxido de carbono anuais, o que equivale às emissões de 300 mil automóveis. Mas ambientalistas assinalam que o parque eólico pode dizimar a população de mergulhôes vermelhos que vive na região, além de outras espécies de aves.

Sem mais artigos