A designer israelense Naomi Kizhner inventou o que ninguém esperava que fosse inventado: joias conceituais que transformariam fluxo sanguíneo humano em energia elétrica. O objeto funciona assim: você coloca cada ponta de ouro em um ponto de suas veias, e a energia gerada pelo fluxo de sangue dentro do aparelho acende uma luzinha.

Além da Blood Bridge (ponte de sangue), Naomi inventou outras duas joias que usariam energia do corpo humano: o E-pulse Conductor (condutor de pulsos elétricos), que armazenaria eletricidade criada pelo sistema nervoso, a partir da espinha, e o Blinker (piscador), que geraria energia por meio de cada piscada do olho humano.

As joias (feitas de ouro e de biopolímeros impressos em 3D) fazem parte da coleção Energy Addicts, que Naomi criou como projeto de graduação na Universidade de Hadassah, em Jerusalém. “Em nossa vida moderna, energia é tudo. É a força que dirige as economias globais, muitas vezes sem considerar as consequências. Eu quis explorar a abordagem pós-humanista, que vê o corpo humano como um recurso”, disse, em entrevista ao site Dezeen.

“Me interessa imaginar como seria o mundo se experimentássemos um declínio das fotnes de energia e como alimentaríamos nosso vício em energia. Há muitos projetos para fontes de energia renováveis, mas o corpo humano é uma fonte natural que é constantemente renovado durante o tempo de nossa vida”.

Sem mais artigos