A diretora do colégio da Índia onde 23 crianças morreram após comerem alimentos preparados com inseticida obrigou os estudantes a ingerirem a refeição contaminada, segundo a investigação das autoridades.


Membros do governo indiano foram até o colégio de Masrakh, no estado de Bihar, e conversaram com alunos e pais para tentar esclarecer como ocorreu a intoxicação, informou o jornal “Times of India“.

Segundo a investigação, as crianças “se negaram” em princípio a provar o curry com batatas e soja servidos no refeitório devido ao aspecto estranho e mau cheiro doalimento, mas a diretora da escola brigou com os alunos e os obrigou a comer.

“A diretora insistia que o óleo usado para preparar a comida não podia estar ruim, pois tinha sido comprado na loja de seu marido”, revelou a investigação.

Além disso, a diretora teria se negado a socorrer as crianças quando elas começaram a se sentir mal.

“A hora e meia ou duas horas que se perderam poderiam ter sido cruciais. Se as crianças tivessem sido levadas de maneira imediata ao hospital, algumas vidas seriam salvas”, concluiu a investigação.

A autópsia feita confirmou a presença de organofósforo, substância química empregada em inseticidas, no curry servido na escola como parte do almoço diário gratuito que o governo oferece a cerca de 120 milhões de crianças em toda a Índia.

O programa está presente em mais de um milhão de escolas de todo o país, o que garante que crianças com poucos recursos recebam pelo menos um almoço ao dia de alto nível nutricional.

Além disso, como afirma o Ministério de Desenvolvimento de Recursos Humanos, graças ao programa o número e a permanência de alunos nos colégios aumenta, assim como a atenção em sala de aula. 

Sem mais artigos