“Eu tenho síndrome de Down, mas, primeiro e principalmente, eu sou Halldóra. Eu faço um milhão de coisas que outras pessoas fazem. Minha vida tem significado e é boa porque eu escolhi ser positiva e ver as coisas boas da vida”. Esse é o trecho de um artigo escrito por Halldóra, uma mulher de 24 anos. O texto serviu de inspiração para a fotógrafa islandesa Sigga Ella batizar o lindo ensaio fotográfico First and Foremost (primeiro e principalmente, traduzido do inglês).

A artista retrata pessoas com síndrome de Down de diferentes faixas de idade, para esse trabalho, inclusive Halldóra. “São 21 retratos de pessoas que têm síndrome de Down. Fotografei pessoas dos 9 meses aos 60 anos”, escreveu Sigga, em um artigo para o site Bored Panda.

Ela teve a ideia de realizar a série fotográfica depois de ouvir no rádio sobre a possibilidade futura de as pessoas poderem escolher ter ou não ter bebês com síndrome de Down. “Eu tive uma tia muito amável chamada Begga, que tinha síndrome de Down. É muito difícil, para mim, pensar na eliminação da síndrome de Down e nela ao mesmo tempo”.

Sem mais artigos