Com a retomada dos laços diplomáticos entre Cuba e Estados Unidos, em julho de 2015, algumas mudanças importantes são esperadas no cenário econômico e político da ilha, nos próximos anos. No entanto, apesar do longo isolamento de Cuba, a mudança já vem acontecendo a passos lentos ao longo de décadas. Jovens de hoje, que leram sobre a revolução socialista nos livros de história, buscam identidade própria, formas de se comunicar com o mundo e diversão. O fotógrafo catalão Edu Bayer fotografou essa nova geração em um ensaio chamado Millennials Cubanos.

De acordo com reportagem do site Feature Shoot, Edu, que vive em Nova York, sempre se interessou pela história e pela cultura de Cuba. Ele conheceu adolescentes e jovens adultos na casa dos vinte anos em lugares como o Pavellón Cuba, o Corner Café, o Teatro Bertolt Brecht e o estúdio de arte Kcho, onde jovens vão para tentar se conectar à internet. Ele encontrou muita gente interessada em tecnologia e arte em suas andanças.

De acordo com o fotógrafo, as novas gerações amam seu país, mas tendem a ser menos politizadas que seus pais e avós. Edu diz que quis, em vez de tomar uma posição em relação à política da ilha socialista, contar histórias de pessoas que conheceu ao longo de sua viagem. “Eles são o novo sangue e o futuro de Cuba”, diz Edu.

Sem mais artigos