Qual menina nunca sentiu aquela vontadezinha de ficar com um professor? A sensação de estar com alguém mais experiente e o desejo de se envolver em algo “proibido” são alguns dos motivos que fazem com que esta figura seja uma das mais cobiçadas pelas garotas em suas primeiras fantasias. Por tudo isso, o interesse que há por parte delas em se aproximar desses caras é algo super natural.

Existem milhões de casos de meninas que chegaram a se apaixonar por um professor, mas que nunca conseguiram concretizar esta paixão. É o acontece, por exemplo, com a estudante de Filosofia Mariana Villar, 21, que vive um amor platônico por um professor da faculdade desde o começo do curso. “Eu não sei bem qual era o motivo, mas eu não parava de tirar o olho dele na sala de aula. Era uma mistura de admiração com desejo, quase que incontrolável. Mas ele era casado e não dava abertura. Acho que só vou conseguir superar isso depois que eu sair da faculdade”, revela.

Mas, e quando o que acontece é justamente o contrário? Pense nesta situação: durante a aula, você percebe que ele começa a te olhar de um jeito diferente e te dá mais atenção do que para as suas amigas. Além disso, ele sempre pede pra você ficar um tempinho depois do horário de saída, seja pra ele mostrar um projeto ou pra perguntar alguma coisa sobre sua vida. Qual é a sua reação nesse caso?

“Fiquei assustada quando soube que ele estava interessado em mim. Eu achava que isso jamais aconteceria comigo e, sem saber o que fazer, acabei me afastando. Com o tempo, ele me conquistou e começamos a sair. Mas as coisas eram sempre difíceis: a gente tinha medo de assumir o relacionamento por causa das nossas famílias e dos nossos amigos. E os outros alunos então? Ia ser a maior fofoca naquela faculdade!”, conta a estudante de direito Roseli Sales, 22.

O preconceito é apenas uma das dificuldades encontradas por quem quer assumir um relacionamento como esse. Muitas vezes, corre-se o risco de o cara ser prejudicado e até perder o emprego, mas isso depende de cada instituição de ensino e também grau do envolvimento do casal.

“Não há uma regra específica pra isso. Não sei se existe uma política que incentive o afastamento ou a punição do professor nesses casos. É um assunto bastante complicado e cada situação deve ser analisada de uma forma diferente”, analisa Rodolfo Martino, coordenador do curso de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo.

Martino afirma ainda que esta situação acontece com freqüência, mas que devem existir cuidados com algumas questões. “Acredito que o equilíbrio e o bom senso devem sempre prevalecer. Nesses casos, existe uma questão ética muito importante: se o professor e a aluna assumem o relacionamento em público, os outros estudantes podem desconfiar da seriedade nos métodos de avaliação e aí a coisa se complica”.

Apesar de gerar polêmica, uma coisa é certa: antes de serem professor e aluno, eles são pessoas e têm o direito de viver uma história de amor, desde que ambos sejam maiores de idade e tenham condições legais de assumir um compromisso. Vocês não acham?

“Meu professor está a fim de mim”. E agora?

Sem mais artigos