Um tumulto marcou o primeiro dia da 29ª Bienal de Artes de São Paulo, neste sábado (25), fazendo com que a exposição fosse fechada mais cedo e não 19h, como estava programado. A obra Bandeira Branca, de Nuno Ramos, já havia causado polêmica antes mesmo da mostra ser aberta ao público por deixar três urubus vivos expostos.

Porém, um homem cortou a rede que protege a obra e pichou “Liberte os urubu” [sic]. Depois de muita confusão, os seguranças chamaram a polícia e um grupo foi encaminhado ao 36º Distrito Policial, no Paraíso.

A organização da Bienal divulgou uma nota em que disse “repudiar episódios de vandalismo e violência” e informou que a rede de proteção já foi consertada e que a pichação será apagada. Além disso, garantiu que a obra respeita todos os requisitos legais no que se refere ao trato e manejo de animais.

Atualização em 01/10/2010:

Abaixo, o registro da confusão

Você acha essa repressão necessária? E os manifestantes, tinham razão?

Sem mais artigos