Um grupo de investigadores estudará a aparição de novas manchas com a forma de rostos humanos na casa de um povoado do sul da Espanha, que ficou famoso há 30 anos pela suposta “magia” de duas de suas casas.

As chamadas “Caras de Bélmez” são rostos que, pela primeira vez, apareceram no solo da cozinha de uma casa do povoado de Bélmez de la Moraleda, na província de Jaén, em 1971.

O que, segundo alguns, eram simples manchas no cimento atraíram a atenção da imprensa e dos investigadores da época até transformá-las no fenômeno paranormal mais conhecido da Espanha.

A morte em 2004 de María Gómez, sua proprietária, aos 85 anos, parecia ter interrompido o fenômeno, mas, pelo contrário, os rostos continuaram aparecendo oito meses depois, e surgiram, além disso, em outra casa, propriedade de duas sobrinhas da falecida.

Nessa casa, na qual María nasceu e viveu durante 22 anos, é onde está o quarto que, após seis meses selada, foi visitada nesta quinta-feira pela equipe de investigadores, meios de comunicação e parentes da ex-proprietária.

O presidente do Grupo de Pesquisas Parapsicológicas de Bélmez, Diego Fuentes, qualificou as manchas no local de “pequenas teleplastias surpreendentes” e anunciou que as averiguará para tentar determinar sua origem.

As manchas em forma de faces continuam sendo um tema de conversa habitual em Bélmez, um povoado com menos de dois mil habitantes, tanto pelo aspecto parapsicológico quanto pela criação este ano de um centro de interpretação com um orçamento de 900 mil euros fornecidos, em sua maioria, por fundos europeus.

Sem mais artigos