Uma pianista moradora da cidade de Puigcerdà, no nordeste da Espanha, enfrenta uma acusação que pode levá-la a enfrentar 7,5 anos de prisão por incomodar uma vizinha durante os ensaios.


O julgamento do caso começou nesta segunda-feira (11) na Audiência Provincial de Girona, e a pianista negou alguns dos principais argumentos da acusação, como o de que praticaria oito horas diárias.

A pianista, Laia M., é acusada de poluição auditiva e de lesões psíquicas, já que a denunciante alega sofrer seqüelas por escutar o instrumento durante 40 horas semanais em um volume decibéis acima do determinado pela lei.

Essa situação, segundo a promotoria, durou de outubro de 2003 a setembro de 2007.

A pianista se defendeu dizendo que se isolou acusticamente o lugar onde ensaiava e atribuiu a situação em que se encontra a vizinha “ter ficado obcecada” com ela.

Além da pena de prisão, a promotoria pede para a pianista uma inabilitação para exercer qualquer profissão que tenha a ver com esse instrumento musical durante quatro anos, uma multa de 10.800 euros e uma indenização de 9.900 euros.

A pianista, que agora tem 28 anos disse que ensaiava menos dias e horas dos que se lhe acusa.

A vizinha, Sonia Bossoms, alega sofrer por causa do som do piano alteração do sono, nervosismo, intranqüilidade, desassossego, ansiedade, episódios de pânico e, inclusive, problemas de gestação nos últimos meses da gravidez de seu segundo filho, nascido em 2006.

A denunciante, que também afirma ter se afastado do trabalho por causa da situação foi assunto, se mudou para a Galícia com sua família em janeiro de 2008 por não suportar mais o som.

Segundo o advogado ela adquiriu tanta fobia com pianos que tornou-se incapaz de ver um inclusive em cenas de filmes.

O julgamento, que deve durar quatro dias, continua amanhã com as declarações de agentes da polícia local de Puigcerdà. 

Sem mais artigos