As autoridades judiciais tchecas rejeitaram definitivamente o pedido de asilo da ex-atriz pornográfica ucraniana Anastasia Grishay, que garante que se retornar a seu país as autoridades podem retirar a guarda de seus três filhos, por ter trabalhado no cinema erótico.

O Tribunal Administrativo Superior da República Tcheca recusou definitivamente o pedido de Grishay, moradora do país há mais de dois anos e que solicitou várias vezes asilo para ela e para seus três filhos, informou hoje o jornal “Lidové Noviny“, que não especifica as razões alegadas pelos magistrados.

A ex-atriz assegura que em seu país natal pode ser presa e afastada de sua família, já que a pornografia é proibida lá.

Após a última recusa do Ministério do Interior, notificada em dezembro passado, Grishay apelou à magistratura.

Para reforçar o pedido a mulher se despiu, em pleno inverno, diante do Parlamento tcheco e mostrou impressas no peito e no ventre as palavras “Save me and my children” (Salvem a mim e a meus filhos).

Grishay obteve agora um visto de passagem de 30 dias de duração, período após o qual precisará abandonar o país.

“Esperava esta decisão, mas mesmo assim me deixou arrasada”, declarou ao jornal “Lidové Noviny”.

A ucraniana abandonou o trabalho diante das câmaras há vários anos e garantiu que desde então se dedica à vida normal e a criar seus três filhos, o menor dos quais nasceu no país centro-europeu.

A posse ou distribuição de material pornográfico é ilegal na Ucrânia desde 2009, por isso Grishay poderia ser detida e perder a custódia de seus filhos, se for comprovada a acusação de que possui e distribui material pornográfico.

Praga nega asilo a ex-atriz pornô ucraniana perseguida em seu país

Sem mais artigos
Sair da versão mobile