Uma epidemia de ratos gigantes acontece neste momento nas terras da Rainha. Imagens de roedores monstruosos surgem todos os dias na Grã-Bretanha. Fotos impressionantes foram postadas no Twitter durante um debate no programa de Jeremy Vine na rádio BBC sobre ratos mutantes.

Entre as fotos tuitadas, uma da Cornuália mostra um rato imenso preso pelo rabo que aparenta medir cerca de 1,80m. De Liverpool, veio uma imagem de um com dois metros de comprimento, enquanto outro, de Gravesend, apavorou muita gente.

Um rato ameaçador foi capturado em uma propriedade industrial de Liverpool por um controlador de pragas da Whelan Services, uma das maiores empresas independentes de prevenção de pragas do país, que tem escritórios em Londres, Liverpool e Hampshire. Em todos esses locais, há um aumento expressivo na população de ratos gigantes.

Rob Simpson, da empresa de controle de pragas Basis Prompt, advertiu que ratos assim tendem a ser mais comuns porque mais famílias se descuidam com o lixo. “Os ratos são criaturas inteligentes, capazes de se adaptar e procriar rapidamente em qualquer lugar seco e com pouco tráfego humano”, assinala Simpson ao Daily Mail.

“Durante os feriados e períodos de férias coletivas, os escritórios precisam garantir que estão protegidos contra infestações de roedores. Uma vez lá dentro, sem ninguém para detê-los, podem começar a roer mesas, móveis e máquinas de café. Pior, ficam à vontade para construir ninhos e formar colônias”, alerta. “Se eles conseguem entrar, podem causar uma série de danos aos equipamentos e à rede elétrica, além de carregar doenças”, acrescenta.

“Eles estão duas vezes maiores do que costumavam ser. Definitivamente, não é incomum ver ratos do tamanho de um gato. O problema é que eles estão se alimentando mais do que antes, com a abundância de restos de comida que jogamos fora”, lamenta o controlador de pragas Sean Whelan, da Whelan Services. “Se há praga, 99,9% da culpa é nossa. Estamos basicamente alimentando-os e eles se acostumaram com isso”, acrescenta.

“Os roedores que estamos vendo na cidade são os que víamos antes no campo, na agricultura, nas fazendas: agora eles migraram para as cidades”, indica. Whelan afirma que os ratos-monstros estão em todas as cidades de todo o país, mas tem havido um significativo aumento de avistamentos em Liverpool, Birmingham e Londres.

Especialistas também avisam que os roedores estão se tornando cada vez mais resistentes ao veneno convencional. Agora, controladores de pragas estão pedindo ao governo para aprovar uma terceira geração de veneno para matá-los.

Durante a década de 1960 em diante, o agente varfarina era usado para drenar o sangue do rato até matá-lo. Hoje, controladores de pragas usam bromadiolone, mas ambos estão se mostrando ineficazes para os ratos gigantes. “Descobrimos que esses animais estão se tornando cada vez mais resistentes. Precisamos de novas fórmulas, mais fortes”, diz Whelan. O controlador de pragas explicou que em uma área entre Winchester e Salisbury os venenos simplesmente não funcionam em todos os roedores, enquanto os ratos em Londres também desenvolveram uma imunidade superior.

O especialista está pedindo ao governo para criar um comitê especial para resolver o problema. Ele também quer que a União Europeia aprove uma terceira geração de veneno de rato, mas há forte oposição de ativistas que temem que essas substâncias possam ser prejudiciais para os seres humanos. Defensores dos animais selvagens também temem o impacto nos animais e pássaros. Medidas de austeridade do governo tornam o problema ainda pior – depois de cortes no orçamento para controle de pragas.

Roedores podem transmitir zoonoses como a doença de Weil, que tem sintomas semelhantes aos da gripe, inicialmente, mas pode levar à icterícia e à insuficiência renal. Só que o problema não se limita à Grã-Bretanha. Outros grandes roedores foram capturados recentemente em casas de Estocolmo e Dublin.

Sem mais artigos