Você tem um encontro marcado. Antes de sair, aquela escovada nos dentes é essencial. Depois, um anti-séptico bucal pra garantir o cheirinho de menta na boca e, claro, para ter certeza que você vai mandar bem na hora do beijo. Mas, só tem um problema: na hora do encontro, você sente aquele baita mau hálito… E não é o seu!

Halitose, mau hálito ou, simplesmente, bafo. O problema atinge pelo menos 40% da população brasileira, segundo uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Pesquisas e Estudos dos Odores da Boca (ABPO) e é mais simples de resolver do que se imagina. “O melhor a fazer é fracionar as refeições e comer coisas que exigem mastigação. Uma pessoa tem mau hálito no jejum prolongado”, explica o Dr. Carlos Mott, médico gastroenterologista do hospital Sírio Libanês e professor de gastroenterologia da USP.

O Dr. Carlos explica melhor a causa do mau hálito. “Ele está relacionado à falta de renovação da saliva. É por isso que todo mundo acorda com mau hálito, porque a saliva não é renovada durante o sono. As glândulas salivares são responsáveis por esta renovação e a mastigação as estimula”, diz.

É importante saber que o mau hálito não é um problema de estômago, nem nos dentes. “Não tem nada a ver com fígado, estômago ou boca. Não é certo dizer que o mau hálito está relacionado com cáries ou gengivite. Gosto amargo na boca também não significa mau hálito”, afirma o médico. Vale lembram que as pessoas não percebem o próprio bafo. “Tem que ser referido por outra pessoa”, diz Dr. Carlos.

Portanto, se você acha que está com um bafo pouco agradável, procure regular a sua alimentação e, caso não melhore, vá ao médico. Agora, se aquele seu amigo tem um hálito que não dá para agüentar, dê um toque para ele. Vai ser melhor para todo mundo. Quem sabe até a vida amorosa dele melhore.

Sem mais artigos