Dezenas de pessoas se reuniram na manhã deste sábado (21) na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, para exigir a legalização do “topless”, proibido por lei, mas menos de dez ficaram de peito nu.

A convocação para o “toplessaço” ganhou as redes sociais e foi iniciativa da atriz Cristina Flores e da produtora cultural Ana Rios, que escolheram o primeiro dia do verão carioca para protestar contra a proibição.

A principal página do evento no Facebook somava mais de 8.200 pessoas confirmadas, mas apenas seis mulheres de fato tiraram o top do biquíni até o início da tarde.

Apesar de haver poucas sem top, o protesto foi apoiado por dezenas de pessoas dos dois sexos, que aplaudiram a iniciativa e se somaram para exigir igualdade de direitos.

Cristina foi vítima direta da legislação em novembro, quando foi repreendida pela polícia ao posar para um fotógrafo, com os seios nus e na mesma praia de Ipanema, durante um trabalho para divulgar uma peça.

No entanto, até o início da tarde, a própria organizadora presente, a produtora Ana Rios, demorou a tirar o sutiã do biquíni, o que fez mais tarde, quando o número de fotógrafos da imprensa nas areias diminuiu.

Durante a manifestação, foram exibidos diversos cartazes, como um exibido por uma associação de nudistas, dizendo “todos são iguais perante a lei” e exigindo “o mesmo direito ao topless para as mulheres e os homens”.

Sem mais artigos