O comissário de Saúde e Consumo europeu, John Dalli, ressaltou nesta segunda-feira a necessidade de se detectar o mais rápido possível a origem do surto da “E. coli” para evitar que volte a ser registrado na União Europeia (UE).

O comissário fez esse discurso em sua chegada ao Conselho de Ministros de Saúde da UE realizado nesta segunda-feira em Bruxelas, no qual será debatida a gestão da crise.

Dalli afirmou que a UE “está fazendo muito” para controlar a situação e destacou o envio de especialistas comunitários à Alemanha para assessorar suas autoridades, acelerar o processo de detecção do surto da infecção e assegurar que todos os possíveis indícios estão sendo perseguidos.

O comissário admitiu que se trata de uma grande crise e ressaltou que a situação “deve ser controlada e contida geograficamente”.

Por sua vez, a secretária de estado de Saúde alemã, Annett Widmann-Mauz, afirmou que existem “possibilidades razoáveis” de a origem da infecção se encontrar em uma exploração de soja da região da Baixa Saxônia.

No entanto, o Governo alemão está à espera dos resultados definitivos das análises para confirmar este extremo, que, segundo Annett, devem ser divulgados ainda nesta segunda-feira.

Sem mais artigos