Inicialmente usada para fins terapêuticos, há 20 anos a toxina botulínica, popularmente conhecida como Botox, foi aprovada para procedimentos estéticos no Brasil, se tornou uma aliada valiosa para a medicina e, cada vez mais, mulheres e homens são seduzidos pela possibilidade de retardar as ações do tempo.  

É o que explica a dermatologista Dra Veronica Tariki em conversa com o Virgula Lifestyle. “A ação da toxina botulínica é eficaz para amenizar rugas dinâmicas, aquelas provocadas por vícios de expressão, que aparecem quando os músculos da face estão em movimento, e também as rugas estáticas, que aparecem mesmo quando o rosto está parado. As regiões do rosto mais beneficiadas pela técnica são as rugas da testa, glabela (entre as sobrancelhas), pés de galinha e qualquer ruga que se forme na região dos olhos.”

“O resultado realmente funciona, por isso tanto mulheres quanto homens procuram pelo procedimento estético. Tanto é que o botox pode criar uma dependência psicológica sim, afinal, sem dúvida as pessoas notam a expressão do rosto mais jovial e é claro, querem aplicar mais vezes”, afirma.

Exagero

As celebridades são as principais adeptas da toxina. Tanto que é fácil achar famosas que integram o “time do Botox”, como Nicole Kidman, Madonna, Cameron Diaz e Courteney Cox. Mas vale lembrar que, quando se trata de cirurgia estética, não se pode ignorar que existe um limite muito pequeno entre melhorar pequenas imperfeições e alterar completamente as características que definem uma pessoa. No mundo dos famosos errar a mão e exagerar os procedimentos estéticos é mais comum do que a gente imagina. Ossos do ofício? Não necessariamente!

A dermatologista Veronica explica que quando mal aplicado, o Botox provoca mesmo aquele efeito máscara, que não é natural e nenhuma mulher quer. Mas o exagero na quantidade de aplicações ou em tempo também é um dos causadores desse efeito artificial.

“Pode acontecer da paciente sentir que a dose aplicada foi um pouco além do suficiente ou que a região tratada não ficou exatamente como queria. Resultado: uma sobrancelha mais arqueada que a outra, algum ponto muito paralisado ou com uma expressão exagerada. Para corrigir essas falhas só tem duas maneiras: esperar o efeito passar, já que é temporário, ou lançar mão de outro procedimento para descontrair o músculo”, afirma.

Controle

“Doses controladas são imprescindíveis para a naturalidade. Não tem regra de tempo para repetir a dose porque cada organismo reage de um jeito, mas pode-se dizer que as aplicações geralmente são feitas de quatro a seis meses depois da última sessão”, completa.

Até as mais jovens estão se submetendo a procedimentos estéticos. Lindsay Lohan é um bom exemplo dessa moda. A atriz que nem completou 30 anos, já fez tanto aplicações de botox quanto preenchimentos faciais. Veronica alerta: “Depende da pessoa, mas a idade indicada pelos especialistas é em torno dos 30 anos, antes disso não há necessidade”, conta.

Fins terapêuticos

A primeira grande utilização da toxina botulínica para fins terapêuticos se deu entre os anos 50 e 60, com o oftalmologista americano, Alan Scott, na busca por alternativas de tratamento para o estrabismo. O produto chegou ainda para auxiliar o tratamento da distonia – doença neurológica caracterizada por contrações musculares involuntárias.

Em seguida, o benefício das descobertas do uso da toxina ajudou também na Medicina Física e Reabilitação. Com a aprovação no ano de 2000 para o tratamento da espasticidade – que se caracteriza pela rigidez excessiva da musculatura, de braços e pernas principalmente, e afeta a mobilidade dos pacientes.

Vale lembrar que a toxina não trata as causas das doenças, mas atenua os sintomas e as sequelas de muitas patologias neurológicas.

O Virgula Lifestyle fez uma lista de famosas adeptas do Botox e que também acabaram caindo na tentação de outras cirurgias plásticas. Veja na galeria acima!      

Sem mais artigos