Você, jovem menina de 7 a 17 anos, que pretende ter uma experiência divertida e instrutiva no mundo da música, aliste-se já no Girls Rock Camp Brasil

Programado para 13 a 18 de janeiro, em Sorocaba, o acampamento diurno de férias, que chega em 2014 a sua segunda edição, visa proporcionar vivências musicais para as participantes, nos moldes dos acampamentos que se realizam nos Estados Unidos.

“A infância e adolescência são momentos difíceis, especialmente para meninas. Cada vez mais cedo, as exigências de padrões de beleza e comportamento aparecem, na televisão, na internet, revistas de moda, fazendo com que muitas sintam inseguranças e fiquem infelizes consigo mesmas. A experiência no acampamento visa proporcionar um suporte que caminha por fora destes modelos, valorizando a diversidade, os saberes diferenciados, as habilidades e competências diferentes, favorecendo a grupalização, a troca de experiências, a expressão de ideias, elevando a autoestima e promovendo saberes com ações afirmativas e referências positivas do gênero feminino, no campo da música, da crítica social e das artes em geral”, afirma Flavia Biggs, socióloga, educadora, musicista e diretora do Girls Rock Camp Brasil.

As meninas aprendem serigrafia, defesa pessoal, fanzines, expressão corporal, atividades de fortalecimento da autoestima, desinibição, trabalho em grupo.  Há espaço ainda para rodas de conversa em que as participantes e as instrutoras, todas mulheres, discutem o papel feminino na música e a condição da mulher na sociedade. 

Promo – Girls Rock Camp Brasil 2013

O acampamento está com uma campanha de financiamento coletivo pelo Vakinha, colabore (aqui). Incrições podem ser feitas no site oficial, aqui. O Virgula Música conversou com Flavia Biggs, por e-mail. Leia a seguir:

O que é o Girls Rock Camp?

É um acampamento diurno de férias com vivências musicais, exclusivo para meninas, uma ideia que começou nos EUA e está em sua segunda edição no Brasil.

Somos o primeiro no modelo na América Latina, onde durante uma semana, as meninas tem a oportunidade de ter uma experiência muito divertida e completa no mundo da música, aprendendo a tocar um instrumento, formando uma banda, fazendo uma composição própria, além de participar de workshops de serigrafia, defesa pessoal, fanzines, expressão corporal entre atividades de fortalecimento da autoestima, desinibição, trabalho em grupo e fechando com uma apresentação ao vivo da composição autoral, aberta para aos familiares, amigos e toda a comunidade.

O projeto tem como foco principal promover autoestima, fortalecer laços de solidariedade, empoderamento e protagonismo infantojuvenil feminino, e para isso usa como veículo, a música. Somos uma organização independente sem fins lucrativos e contamos com doações e voluntárias (nossas instrutoras são todas mulheres) que acreditam no projeto e que doam seu tempo e talento para fazer acontecer!

A primeira edição em 2013 foi um sucesso e nossas expectativas para 2014 são ainda melhores, já estamos mais experientes e o boca a boca e a divulgação das pessoas que participaram e se apaixonaram pelo projeto aumentou ainda mais a procura!

Quais são os critérios para as meninas serem aceitas no acampamento?

O publico alvo são meninas com idades entre 7 a 17 anos, não é necessário ter conhecimentos ou experiência anterior com música, os responsáveis pelas meninas, devem entrar no site www.girlsrockcampbrasil.org, baixar a ficha de inscrição, preencher e mandar junto com comprovante de pagamento da inscrição, que é de R$ 175 individual ou R$ 160 para duas ou mais campistas.

Além disso temos vagas gratuitas para bolsistas também. Estamos oferecendo 60 vagas, sendo 20 guitarra, dez baixo, dez bateria, dez voz, dez teclado, que vão sendo preenchidas de acordo com as inscrições. As vagas para vocalistas já acabaram! ;)

Quais você considera as maiores contribuições femininas para o rock? Por que ainda hoje tão poucas bandas de garotas surgem?

Acredito que surgem menos bandas de meninas por questões socioculturais, ou seja, modelos de socialização diferenciados que privilegiam e dividem papéis sociais e atividades para homens e mulheres, e por falta de estímulo também, taí uma razão de ser da empreitada do camp.

As mulheres sempre tiveram representantes no rock e em todos os gêneros musicais, mas cabe colocar que não foi e não é dada a devida visibilidade a história das mulheres, não só na música como na própria sociedade, mas este modelo vendo sendo combatido pelas próprias mulheres que vem pesquisando e reescrevendo nossa história com o objetivo de projetar e estimular o nosso futuro. Posso citar algumas mulheres que fizeram e fazem a diferença no rock como: Rita Lee, Patti Smith, Joan Jett, as bandas “riot girl” dos anos 90, entre outras tantas inspirações para nós!

O que vocês procuram passar primordialmente para as meninas?

A infância e adolescência são momentos difíceis na vida de todos, especialmente para meninas, pois cada vez mais cedo, as exigências de padrões de beleza e comportamento aparecem, na televisão, na internet, revistas de moda, fazendo com que muitas meninas sintam inseguranças e fiquem infelizes consigo mesmas.

A experiência no acampamento visa proporcionar um suporte que caminha por fora destes modelos, valorizando a diversidade, os saberes diferenciados, as habilidades e competências diferentes, favorecendo a grupalização, a troca de experiências, a expressão de idéias, elevando a autoestima e promovendo saberes com ações afirmativas e referências positivas do gênero feminino, no campo da música, da crítica social e das artes em geral.

O objetivo não é exatamente formar musicistas, mas tentar despertar nas meninas um novo olhar para si mesmas, a partir da conscientização do “poder fazer” e da desmistificação do que pode ser considerado intransponível, preparando de maneira lúdica, o enfrentamento das muitas questões encontradas pelas mulheres na sociedade através da formação de cidadãs críticas e conscientes de suas potencialidades.

Por que decidiu realizar esse projeto?

Em 2005 comecei a voluntariar no Rock n’ Roll Camp for Girls da cidade de Portland (EUA) como instrutora de guitarra, sempre quis trazer a atividade para o Brasil, e no mesmo ano comecei a fazer a “Oficina de guitarra para Meninas”, o projeto deu muito certo, até que em 2013 apoiada por mulheres incríveis ligadas a música e movimentos sociais, percebemos que juntas tínhamos a possibilidade de fazer o camp no formato original por aqui, e resolvemos enfrentar a empreitada.

Com o que na sua opinião as mulheres mais tem a contribuir para o universo do rock?

Independente do gênero tanto mulheres quanto homens devem ter oportunidades amplamente oferecidas de desenvolver suas habilidades e potencialidades, seja dentro do rock, das artes, do mundo do trabalho e todo tipo de desenvolvimento humano, barreiras devem ser quebradas tanto para homens quanto para mulheres, podemos todos contribuir muito com tudo, se formos estimulados, todos temos saberes diferenciados e maneiras singulares de se relacionar com o mundo e nos apropriar artisticamente dessa relação, seja através do rock ou das artes em geral.

Você pretende criar alguma forma de viabilizar bandas desses encontros? Formar um selo talvez?

Na verdade, o objetivo principal é propiciar a vivência empoderadora que é ter uma banda de rock, e o que isto traz de atitude para a vida, se elas continuarem a tocar lindo, mas se não, temos certeza que a experiência de saber que pode fazer, já vale por si só e é inesquecível. Mas do camp de 2013, tiveram sim bandas que continuaram tocando <3.

Haverá algum engajamento ou informação política no acampamento? A ideia é embuir as meninas do espírito feminista durante a estada delas?

Não são colocadas em debate ou tratadas especificamente nenhuma questão relacionada a posicionamento politico ideológico, mas com certeza o feminismo está lá, implícito, pois é uma atividade que promove a autoestima, a solidariedade entre meninas, é uma troca de experiências e vivencias de mulheres com diferentes backgrounds mas em comum o amor pela musica e o compromisso de passar isso a diante, compartilhar seu talento, sua força de vontade e suas experiências em ser mulher na música e isto é muito bom!

SERVIÇO

Girls Rock Camp Brasil,  de 13 a 18 de janeiro, em Sorocaba

Exclusivo para meninas com idades entre 7 a 17 anos

Incrições pelo site www.girlsrockcampbrasil.org

Preço: R$ 175 individual ou R$ 160 para duas ou mais campistas, vagas gratuitas para bolsistas.

As vagas para vocalistas já acabaram, ainda há para guitarra, baixo, bateria e teclado.

Sem mais artigos