A rígida e moralista Cingapura estuda a possibilidade de autorizar os frequentadores de clubes a dançar em cima das mesas de bar, atividade hoje vista como delito cujo praticante pode levar uma multa pesada.

O primeiro-ministro Goh Chok Tong disse no fim de semana que, como parte de uma campanha para fomentar a criatividade, a cidade-Estado vai revogar algumas de suas restrições sociais rígidas.

Mas seus comentários chegaram tarde demais para o gerente de um pub na área central da cidade, acusado no mês passado de permitir que dois frequentadores da casa dançassem em cima do balcão do bar.

“Espero que este anúncio assinale uma mudança geral no setor da vida noturna, das artes e do entretenimento”, comentou Dennis Food, operador do Devils Bar, onde a infração teria ocorrido.

A polícia de Cingapura aplica com rigor a lei segundo a qual só se pode dançar no chão. Qualquer infração da norma leva os donos dos estabelecimentos a incorrer numa multa máxima de 5.700 dólares.

Conhecida pela censura que impõe a filmes e revistas eróticos e às multas de alto valor cobradas dos culpados de comportamentos anti-sociais, Cingapura precisa de algumas “ilhas de boemia” onde as pessoas possam reunir-se e ser criativas, disse o primeiro-ministro.

“Estudos conduzidos nos EUA mostraram que o espírito empreendedor guarda vínculo estreito com o dinamismo cultural”, comentou ele, acrescentando que pessoas criativas precisam de um cenário musical e artístico diversificado, de abertura e variedade.

Enquanto isso, clubbers e operadores de bares saudaram a novidade.

“Trazer a dança em cima das mesas de volta é o mínimo que podem fazer para deixar a cidade mais divertida e nem é nada de muito polêmico”, disse o publicitário Alex Shipley.

Sem mais artigos