Virgula Música – O grupo está trabalhando no próximo CD? Já tem material?

Bidê ou Balde – No início de maio retomamos os trabalhos, depois de merecidas férias de verão. Resolvemos tirar férias, pois após seis anos de trabalho árduo, precisávamos descansar uma pouco. Temos uma agenda de shows bem bacana, agora nos meses de maio e junho. Aí então, é que vamos começar a pensar em um novo disco.

Material… sempre se tem alguma coisa… a Bidê tem um método bem peculiar para compor… isso faz com que tenhamos muitos “esboços” de músicas gravadas em dezenas de cassetes, guardados no nosso estúdio.

VM – E o som? É o mesmo?

BB – Nesses “esboços” tem de tudo um pouco… new wave, rock pesado, baladas… assim que possível iremos fazer uma audição de todo o material e começar a lapidar as músicas.

VM – Como foi gravar o acústico ‘bandas gaúchas’?

BB – Foi uma honra ter participado desse primeiro projeto “acústico múltiplo” da MTV. Para a Bidê, foi o primeiro registro de áudio e vídeo ao vivo que fizemos… tivemos a oportunidade de trabalhar com grandes profissionais, só a “nata” mesmo! :^) Desde o pessoal da técnica de som e luz, captação de imagem, direção musical… tudo foi de primeira.
Nos sentimos muito felizes… além disso, mais uma vez conseguimos chegar nas casas das pessoas no Brasil inteiro. Isso sempre é muito bom.

VM – Em relação a polêmica da censura do clipe, como a banda encarou isso?

BB – Estamos lutando (pelas vias legais), pela liberação da música.

VM – Após o boom do grupo na MTV e rádios, a rotina de vocês sofreu muitas mudanças?

BB – Mudanças sempre ocorrem… aumenta a quantidade de shows pelo Brasil, e conseqüentemente ficamos mais tempo longe da família. Mas ainda continuamos morando em Porto Alegre, junto de nossos entes queridos.

VM – Como é a resposta dos fãs em shows fora do circuito Sul/Sudeste?

BB – A resposta é maravilhosa, sempre fomos super bem recebidos em todos os estados que passamos… agora em outubro teremos a oportunidade de tocar em Belém do Pará e com certeza será uma grande festa!

VM – A banda pensou em fazer algo no exterior?

BB – Temos contatos na Austrália, Argentina e Europa… mas não posso te garantir nada ainda.

VM – E a internet? Ainda é importante para os grupos grandes?

BB – É sempre muito importante. Através da internet, conseguimos chegar em lugares que as grandes gravadoras não conseguem alcançar. A distribuição de cds no Brasil ainda é muito fraca, e através da internet o pessoal do Amazonas e do interior da Bahia conseguem ouvir a gente.

VM – O grupo deu uma esfriada na mídia. Foi por opção da banda?

BB – Passamos o ano de 2004 e 2005 direto na mídia, primeiro foi o lançamento do nosso terceiro disco; depois passamos o verão de 2005 tocando direto em todas as praias do litoral do RS, em uma campanha de conscientização de trânsito junto com o DETRAN/RS; depois gravamos e trabalhamos o Acústico MTV e por fim lançamos uma edição especial do nosso último disco na revista Outracoisa… toda essa correria resultou em um esgotamento para todos os integrantes da banda.
Foi então que, por opção nossa, resolvemos entrar em férias para descansar e curtir a família. Por isso que nos afastamos um pouco da mídia.

VM – Nessas shows Brasil afora. Tem alguma banda começando que vocês curtiram?

BB – Então… acabamos de chegar do Paraná. Tocamos em Foz do Iguaçu, Toledo e Cascavel (minha cidade natal), e temos alguns shows para fechar em São Paulo, Paraná, Bahia e Nordeste. Ainda não tenho as datas, mas para saber direitinho por onde a gente anda é só acessar a agenda de shows do nosso site: www.bideoubalde.com.br. Sobre as banda novas, eu particularmente gosto muito do Superguidis (RS) e da Biônica (SP).

Sem mais artigos