Na semana passada, Ariana Grande deu uma entrevista para o jornal inglês The Telegraph e contou porque se afastou da Igreja Católica. “Eu adorava e venerava meu irmão, Frankie, quando eu era pequena. Tudo o que ele fazia era legal”, ela contou para a publicação. E foi esse amor por ele, que é gay, que a fez questionar a sua antiga religião: “Quando disseram para o meu irmão que Deus não o amava eu fiquei, tipo, ‘Ok, isso não é legal'”. 

A garota, de 21 anos, contou várias outras coisas super legais para a publicação. Então a gente do Virgula Música resolveu fazer um apanhado do que a mini-diva de My Everything disse de mais legal. Vem ler!

Depois de se decepcionar com a Igreja Católica, Ariana e seu irmão foram para um centro de Kabbalah e se identificaram muito. Ela disse que aprendeu muitas coisas com a filosofia.

“Você tem que prestar atenção nas suas intenções, ter certeza que não está cedendo ao seu ego. Você tem que anestesiar o seu estado reativo. Você tem o poder de mudar a sua realidade. Você tem que esperar um segundo e respirar e reavaliar como você quer abordar ou reagir a uma situação ou abordar um obstáculo, ou lidar com uma pessoa negativa no seu espaço. É necessário muito autocontrole e praticar a sua força de vontade”

 

Ela ganhou o prêmio de celebridade vegetariana mais sexy de 2014, da peta2, o braço jovem do PETA. Sim, ela é vegetariana.

 

Ela realmente realmente ama a amiga Miley Cyrus.

“Eu amo ela muito. Ela tem uma alma linda. Ela é tão feliz, isso é algo a ser celebrado. As pessoas ficam irritadas com ela por ser ela mesma. Mas ela é feliz. Eles provavelmente não são”.

 

Quando Ariana tinha oito anos,  mãe dela, que é uma empresária, fez teste (e passou!) para uma peça só pra poder ficar com a filha durante os ensaios.

“Eu era muito nova e minha mãe não queria me deixar sozinha nos ensaios. Mas não era permitido que os pais ficassem lá, a não ser que eles fizessem parte da peça. Então a minha mãe fez a audição, o que foi a coisa mais engraçada que já aconteceu na história do mundo! Ela é uma CEO, tem as suas próprias companhias, uma agenda cheia. (…) Ela era a empregada do Daddy Warbucks, tinha que usar uniforme de empregada e segurar uma vassoura!”

 

Ela sofreu muito quando seus pais se separaram. Ela tinha oito anos.

“Ficar no meio daquilo foi tão estressante. E é claro, sendo feita dos dois – Eu fiquei, tipo ‘Hey, se vocês dois odeiam as suas características tanto assim, o que eu deveria gostar de mim mesma? Eu sou feita dessas duas pessoas e estou no meio de todas essas brigas’. Foi traumático.”

 

 

Ela AMA o Halloween. Sua paixão quando era novinha? O clássico Tubarão. 

“Eu gosto de todas as coisas negras, macabras e assustadoras. É por isso que eu amo tanto essa época do ano!”

 

Ela acha que ser um modelo de comportamento é ser você mesma!

“E ser você mesma assumidamente, não importa o que isso significa. Seja quando eu me visto de forma mais sexy em alguns dias e mais conservadora em outros, é de acordo com o que eu sinto quando acordo. Eu acredito em autenticidade”.

E se alguém tentar forçá-la ser quem não é?

“Eu nunca sucumbirei a isso. E eu acho que é por causa da minha mãe e da minha família. Eu venho de uma família italiana forte e violenta. A gente não aguenta merdas de ninguém”.

Mas ela é naturalmente bondosa, então conciliar os lados forte e meigo é difícill.

“Como alguém que é muito sensível e gosta de agradar as pessoas, é conflitante pra mim, porque em muitos momentos eu gostaria de dizer: ‘Ok, se você diz!'”

 

Sabe aquela história que corre por aí que ela fica agindo como uma diva esnobe?

“É muito estranho pra mim porque eu me vejo como uma pessoa muito positiva, muito amigável. Então é meio estranho. Eu também acho que muitas pessoas não sabem o que a palavra diva significa. Se alguém quer me chamar de diva, eu diria, ‘hm, bem legal’. Barbra Streisand é uma diva; isso é maravilhoso. Celine Dion é uma diva; obrigada. Mas se você quer me chamar de vadia, não é correto. Porque minha natureza não é assim”.

 

 

Sem mais artigos