A gravadora Sony Music colocou dois álbuns novos de Michael Jackson na geladeira. Os disco são duas produções beneficentes, uma em inglês e outra em espanhol, feitas em conjunto com 34 artistas em prol das vítimas do atentado de 11 de setembro.

As músicas foram gravadas em outubro de 2001, mas a Sony não lançou os discos com a justificativa de incompatibilidade de lançamentos próprios dos cantores. Inclusive Michael Jackson com o álbum Invincible.

Segundo a imprensa, a gravadora não está mais promovendo o disco Invincible para poder sabotar o cantor. Tudo começou quando em 1995 o cantor fez um empréstimo com a Sony, como se fosse um adiantamento do lucro que o CD daria, e em troca o músico forneceu 50% dos direitos sobre os catálogos dos Beatles, que são de sua posse. Hoje a Sony estaria cobrando de Michael a dívida e deixando de promover o seu disco.

“Pedimos à Sony que lance estes discos ou que ao menos tenha a decência de permitir que outra companhia neutra faça isso, mas até agora não recebemos nenhum tipo de resposta”,declarou Marc Schaffel, produtor-executivo das canções What More Can I Give e Todo Para Tí, que estão na homenagem.

Schafferl considerou que o problema de Jackson com a Sony não deve interferir no lançamento do CD beneficente.

Julio Iglesias, Celine Dion, Luis Miguel, Mariah Carey, Ricky Martin, Gloria Estefan, Carlos Santana, Alejandro Sanz, Juan Gabriel, Rubén Blades, NSYNC, Laura Pausini e Shakira participaram das gravações em inglês e espanhol.

Mais gravadoras se propuseram a lançar os álbuns e esperam que a Sony os liberem. A renda dos discos seriam destinadas as famílias das vítimas do atentado.

Sem mais artigos