Camila Cabello em São Paulo por Marta Ayora

Camila Cabello tem paixão. Enquanto muitos astros fazem shows no piloto automático, esta percepção passa longe da performance da cubana de 21 anos. Ela dança, sua, rebola, se descabela e canta muito. Vai dos graves ao agudos com maestria e sem perder a ternura jamais.

Os “camilazers”, como são chamados seus fãs, se derretiam a cada “eu te amo” falado em português durante a apresentação neste domingo (14), no Allianz Parque, em São Paulo, no Z Festival.

A apresentação memorável marcou a estreia solo da ex-Fifth Harmony em São Paulo. Antes, Porto Alegre e Uberlândia viram o mesmo show. Ela se despede do Brasil após passar por Curitiba nesta terça.

No show da capital paulista, Anitta foi a surpresa. Antes de introduzir a popstar número 1 do Brasil, Camila disse que havia pensando em uma participação que faria o público enlouquecer. Acertou em cheio e Paradinha quase demoliu o estádio.

A excitação estava no ar. Pais e mães, geralmente emburrados em shows deste tipo, quando são arrastados pelos filhos, cantavam, pulavam e ocasionalmente deixavam escapar uma lágrima quando a artista pediu que seus fãs tivessem paciência e cuidado consigo mesmos.

A música, calcada em melodias e ritmos poderosos, abarca referências como rap, R&B e música latina. Na baladona Consequences, ela toca piano e canta acompanhada pela multidão.

A festa termina com Havana, hit supremo de 2018. Never Be The Same (nunca ser o mesmo), nome do álbum de estreia e da turnê, representa o encontro da diversão catártica, necessária para que possamos desligar dos problemas cotidianos, e o papel transformador da arte. Depois desta noite, não seremos os mesmos, de fato, mas sempre seremos “camilazers”.

Sem mais artigos