Produzir conteúdo em tempos de coronavírus requer cuidado e os músicos estão tentando se adaptar a esta nova realidade. Ao gravar o clipe “WAP”, Cardi B quis se certificar que todos da equipe estavam trabalhando em segurança e utilizou US$ 100 mil, mais de R$ 540 mil, em testes de Covid-19.

Em uma entrevista para a revista i-D, publicada na última quinta-feira (13), a rapper afirmou que é “louco gravar um clipe em época de coronavírus”.

“Nós tivemos que gastar US$ 100 mil só em testes. Todos do set tinham que ser testados para coronavírus”, explicou.

A pandemia também afetou a forma como os animais que participam do clipe foram incluídos no vídeo. “Tínhamos um tigre e um leopardo lá, mas não filmamos com eles por causa da segurança e da pandemia […] Nós os colocamos [digitalmente] nas cenas”, contou a artista.

Contudo, as cobras com as quais Cardi e Megan Thee Stallion interagiram eram mais do que reais. Uma inclusive urinou na dona do hit “Bodak Yellow”.

“Uma das partes mais assustadoras foi a cena das cobras. Eu estava pelada e uma delas fez xixi em mim”, compartilhou.

“WAP” tornou-se alvo de ataques por causa da letra, que os críticos chamam de “vulgar”, e das cenas sensuais. Mas isso não parece aborrecer Cardi B. Apesar de surpresa com tamanha repercussão, ela diz ter ficado “feliz”.

“Eu sabia que ia ter um grande impacto, acho, por causa de mim e da Megan. Mas eu não sabia que ia ser tão controverso. Nunca esperei que, sabe, conservadores e republicanos iriam discutir sobre a música”, relatou a rapper.  “Eu não achava a música tão vulgar quanto dizem, sabe? Eu estou tão acostumada com isso. Sou tão doida que não achei que chamaria tanta atenção”, completou.

Cardi B deixou claro que os críticos não a incomodam  porque quanto mais falam, “mais os números aumentam”: “no final do dia, seja lá o que eles falam, os números falam por si”.

“WAP” ganhou o certificado de ouro nesta sexta-feira (14), apenas uma semana após seu lançamento.

Sem mais artigos