Erasmo Carlos, Anita Tijoux e Rico Dalasam

Erasmo Carlos, Anita Tijoux e Rico Dalasam

Marcada pela diversidade e pela descentralização, com atrações espalhadas por todas as regiões da cidade, a Virada Cultural deste ano não tem grandes estrelas internacionais no line-up, como era comum no passado, ainda assim é evidente que entre 1.500 atrações há muita coisa que vai valer à pena assistir, do lendário Erasmo Carlos à chilena Anita Tijoux e ao fenômeno Rico Dalasam. O Virgula fez um roteiro para quem está a fim de se jogar. Deixe o celular e a carteira em casa e como diziam os Mutantes: “Só não vá se perder por aí”.

Começamos no rolê no Parque da Luz no sábado, às 18h, com os freaks paulistanos do Mamba Negra, que convidam o turco Baris K.  Como em todo festival grande, é preciso fazer escolhas, e você também ser dará bem, se neste mesmo horário, colar na Estação da Luz para curtir os curitibanos do Ruído/mm ou ir até à praça Dom José Gaspar pra ver o monstro do piano Nelson Ayres.

O Pará tem as cores mais quentes e Dona Onete, a grande dama de Cachoeira do Arari chega com seu arsenal de carimbó e outros ritmos de alto calibre dançante. A diva se apresenta ainda no sábado às 21h, no palco Casper Líbero, na avenida Cásper Líbero, altura do número 100. Fazendo uma conexão com a cúmbia, em seguida quem se apresentam, às 20h, são os mexicanos do Sonido Gallo Negro.

Enquanto isso, no Palco São João, às 21h, Leno e Lilian, mostram o lado mais melódico da jovem guarda, em palco dedicado ao gênero, na avenida São João, altura do número 1.100. Uma hora depois, rola o show de outro ícone que também migrou do romantismo brega para se tornar objeto de culto: Odair José. O ícone de Uma Vida Só (Pare de Tomar a Pílula) e Vou Tirar Você Desse Lugar estará no palco Rio Branco, na avenida Duque de Caxias com avenida Rio Branco.

Sergei

Sergei

Depois de Odair José não ouse arredar o pé porque duas lendas estarão juntas sob o nome muito propício de Jurassic Rock, à meia-noite, Edy Star, precursor do glam rock no Brasil e parceiro de Raul Seixas, e Sergei, o mito, se unem para mostrar que a máxima pedras que rolam não criam limo, está vivíssima.

Se o seu lance, no entanto, for jazz e música instrumental, você deverá rumar para o Theatro Municipal onde o campeão Hermeto Pascoal, também conhecido por seus fãs como bruxo, se juntará ao multi-instrumentista Arismar do Espírito Santo e o baterista Nenê. O lance de outro planeta começa à meia-noite.

Quem se liga nos anos 80 rumará para ver o Metrô com formação original, às 3h, no palco Arouche, que fica no largo do Arouche.

Já no avançado da madruga, às 4h, no palco Rio Branco, os potiguares do Far From Alaska vão despejar decibéis com seu som de pegada stoner. Também começando às 4h, Alceu Valença tocará até amanhecer no palco República, na praça da República.

Dormir, que nada? O sol já vai estar começando a esquentar quando Tom Zé subir ao palco Barão de Limeira, na alameda Barão Limeira, às 7h. Vale ficar para ouvir Curumin, um dos nomes mais legais da nova música brasileira, às 9h.

Uma hora mais tarde, no palco São João você não saberá mais se está tremendo de sono ou de emoção com Erasmo Carlos. De lá, a boa é o pernambucano Vitor Araújo, pianista pernambucano de 24 anos, que se apresenta na praça Dom José Gaspar.

Às 14h20, sugerimos que você cole no Carne Doce, banda que voltou a chamar atenção para efervescente cena goiana. Eles se apresentam no palco Alexandre de Gusmão, na praça Alexandre de Gusmão.

Na sequência você não pode perder outro nome em ascensão, Rico Dalasam, primeiro rapper gay a dar a cara ao sol na mídia nacional e mais perfeita tradução do hip hop brasileiro em 2015. O futuro ícone se apresenta no palco Leôncio de Carvalho, às 15h10.

Quase ao mesmo tempo, às 15h45, no Centro Cultural da Penha, no Largo do Rosário, 20, vale dar um check em outra estrela pronta para entrar em órbita. Chamado por seus fãs de Frank Zappa de Lençóis Paulista, Rafael Castro mostra repertório baseado em seu disco Um Chopp e um Sundae, lançado este ano.

Já no palco Rio Branco, às 16h, Robertinho do Recife, com o Metal Mania, mostra que o metal brasileiro com sotaque nordestino. E se o seu negócio é barulho não dá pra perder a banda  paulistana Test. Os caras andam com tanta moral que ganharam um palco com o nome deles e se apresentam às 17h35, na avenida Rio Branco.

Ana Tijoux, expoente da nova música latina, comanda a saideira no palco Casper Líbero. A concorrência aumenta às 18h, com os shows de encerramento. No palco Júlio Prestes, Caetano Veloso encerra a turnê de Abraçaço. No Memorial da América Latina, os darks não vão perder Johnny Marr, ex-guitarrista dos Smiths. O Ira! relê o álbum Mudança de Comportamento, de 1985, no Theatro Municipal de São Paulo.

Sem mais artigos