Dez anos. Ainda que seja uma vida inteira, nem parece que faz tanto tempo assim, certo? Onde você estava em 2004? Bom, a gente não sabe, mas vamos arriscar um palpite: pelo menos em algum momento daquele ano você cantou uma música de alguns desses 10 álbuns que estão assoprando dez velinhas. Vem se sentir velho com o Virgula Musica.

Green Day – American Idiot

Tendo lançado o último álbum, Warning!, em 2000. American Idiot marcou a volta do Green Day — e foi a arma que conquistou a geração que nasceu nos anos 1990, quando a banda era formada. American Idiot é uma ópera rock, que acompanha Jesus of Suburbia, representante da juventude americana. O álbum teve mais de cinco milhões de cópias vendidas só nos Estados Unidos e virou musical na Broadway.

O Rio, a Cidade e a Árvore – Fresno

Em 2004, a modinha emo estava em plena ascenção, e a gaúcha Fresno, com seu segundo álbum, forneceu um belo hino pra garota: Duas Lágrimas. Bom, o que você esperaria de uma música que fala de lágrima rolando no coração?

Still Not Getting Any… – Simple Plan

Segundo álbum da banda canadense, trouxe sucessos que fizeram com que os cinco caras explodissem no mundo inteiro. Mesmo. Afinal de contas, qual adolescente não adoraria os versos “No, you don’t know what is like / Welcome to my Life”? Perfeito para colocar no “quem sou eu” do orkut, né? Além de Welcome to My Life, a agitada (e outro hino adolescente) Shut Up e a triste Untitled também foram hits.

The Chronicles of Life and Death – Good Charlotte

Mais um álbum obrigatório pra galerinha emo. Terceiro álbum da banda, que trouxe um tom mais carregado em The Chronicles of Life and Death do que nos seus antecessores — fosse na sonoridade, fosse nas letras. Mas calma que nem tudo são lágrimas e pulsos cortados. Também há espaço para músicas mais divertidas, como I Just Wanna Live, que tem um clipe hilário. Mas o destaque fica mesmo para as lamuriosas Predictable e We Believe (ainda que está última tenho um toquezinho esperançoso).

Charlie Brown Jr – Tamo Aí na Atividade

Um clássico em louvor à áurea marginal e skatista da banda. Lançado um ano após o Acústico MTV da banda, que foi um sucesso explosivo, Tamo Aí na Atividade vendeu mais de 250 mil cópias. Na faixa Champagne e Água Benta, por exemplo, podemos encontrar um fino exemplar de xingamento em rima “você é bonito / e eu sou feio / sua mãe te ama / mas eu te odeio”. Uma pérola, né? Ah, e não se esqueça do eficiente deciframento da alma feminina, presente na mesma música: “toda patricinha adora um vagabundo”.

Room on the 3rd floor – McFly

Foi o álbum de estreia da banda, e chegou de forma humilde nas paradas: apenas tirando o posto dos Beatles de banda mais jovem a conseguir o primeiro lugar dos discos mais vendidos na Inglaterra. Com melodias chiclete e letras divertidas, a banda conquistou várias adolescentes (os garotos serem bonitinhos também ajudou, é claro). Entre as músicas já clássicas (afinal, são 10 anos) que estão no álbum, temos 5 Colours In Her Hair, That Girl e Obviously.

 R&G (Rhythm & Gangsta): The Masterpiece – Snoop Dog

Como qualquer outro ser humano hoje em dia, você provavelmente ficou com Blurred Lines na cabeça, né? Será que esse outro hit-chiclete que também teve o toque de Pharrel te atormentou, lá em 2004? Vamos lá: “drop it like it’s hot, drop it like it’s hot, drop it like it’s hot”. Essa música, er, agradável estava no álbum R&G (Rhythm & Gangsta): The Masterpiece, do Snoop Dog — atualmente conhecido como Snoop Lion

 Phoenix – Alphabetical

É o segundo álbum da banda francesa, e foi o responsável pela sua explosão nos Estados Unidos. Alphabetical vendeu mais de 30 mil cópias em terras americanas. Os detasques são os singles Everything is Everything e Run, Run, Run.

Em Rotterdam Já É Febre – Cansei De Ser Sexy

O Cansei de Ser Sexy lançou este EP apenas um ano depois de ter surgido. Eles já tinham chamado a atenção de gente graúda, tipo Lúcio Ribeiro e Erika Palomino. Esse EP foi a porta de entrada para que a banda se tornasse uma obsessão lá fora.

Liah – Liah

Tudo bem, a gente admite que talvez você não esteja associando o nome ao rosto. Na verdade, a gente também não associa o nome ao rosto, então, vamos ser mais generosos. Talvez você não associe o nome a qualquer música. Mas não tem problema, a gente te ajuda. Tente cantar mentalmente: “Garotas choram mais / Quando o sonho se desfaz”. Não conseguiu? Ok. Você via Malhação, né? Então, pode dar o play aí embaixo que a gente tem certeza que você vai se lembrar.

Sem mais artigos