Frankie Knuckles, o lendário DJ que foi um dos inventores da house music e teve sua morte anunciada nesta terça-feira (1º), passou pelo Brasil em diversas ocasiões, sendo a mais memorável delas, no Skol Beats de 2000.

O Virgula Música ouviu DJs de house para que eles contassem quais são as músicas de Knuckles que mais tocaram na vida e comentassem sobre o legado do mestre, que era chamado de “godfather (padrinho) da house music” e tinha 59 anos.

Felipe Venancio lembrou do senso de humor do mestre: “Toquei com ele umas três vezes, se não me engano. Todas em São Paulo, mesmo eu morando no Rio na época. Knuckles tinha, comigo, um jeito de falar que me lembrava meus amigos da noite. Um jeito engraçado e espirituoso com comentários curtos e inteligentes”, afirmou o DJ carioca, sobre a convivência com o norte-americano.

“Penso que seu maior legado, sem dúvida, são as mensagens das suas produções. Músicas com luz própria, mais musicais, com harmonias, orquestrações, pianos lindos. Quando quero dar beleza em uma noite penso nele, acredito que os DJs no mundo também”, opinou Venancio. 

Sobre as músicas que mais passaram pelo seus sets, o DJ carioca fez suas escolhas: “Vamos lá,  puxar na memória clubber: Lembro de Workout, de 91, de Too Many Fish, com Adeva, de 95, e Tears, com o Robert Owens cantando. Tem também Your Love, Baby Wants to Ride, com o Jamie Principle, You Got The Love e, claro, Whistle Song. Todas essas sempre dou um jeitinho de por”, contou.

O DJ, produtor e apresentador Rafael Moraes, do Nomumbah, também destacou o alto astral de Knuckles: “Conheci de oi, tínhamos alguns amigos em comum. Era uma pessoa muito simpática e atenciosa, sempre com sorriso no rosto”, relatou. “Foi o grande responsável por criar a house music da maneira que conhecemos hoje, os timbres, a maneira de construir os sets, os elementos misturados, a atmosfera criada dentro do club, a mistura de pessoas. Dizer que gosta de house e não conhecer Frankie Knuckles é como dizer que gosta de futebol e não conhece Pelé”, sintetizou.

Ouça Tears, um dub edit, de Rafael Moraes

As faixas que Rafael mais tocou, segundo ele mesmo, foram Your Love, Baby Wants To Ride e Whistle Song. “Também Tears, um dub edit que fiz um tempo atrás”.

Um dos caras com maior bagagem da house brasileira, Renato Lopes não conheceu Knuckles pessoalmente, mas comenta sobre a importância do mito. “Poxa, seu legado é responsável por toda a história da house music, até hoje e o que ainda virá por aí”, aposta. “Qualquer DJ que realmente se interesse por música eletrônica deve respeito à Frankie Knuckles”, cravou.

Renato afirma que Your Love, Baby Wants to Ride, The Whistle Song, Bad Boy são as faixas que mais tocou do DJ. Ele também cita os remixes que ele fez para Electribe 101, Talking With Myself e Adeva, Beautiful Love



Renato Ratier
, DJ, empresário e dono do D-Edge, conta que conheceu Knuckles em Miami. “Um cara simpático, uma lenda”, ele lembra. Sobre as músicas que mais tocou, ele elenca os hits Your Love e The Whistle Song.

Máximo respeito a Frankie Knuckles. Se é verdade que um DJ é capaz de salvar vidas, Knuckles sempre será uma opção para nos deixar mais vivos e o mundo mais harmônico e bonito. Que passagem mística e abençoada pela Terra!

Sem mais artigos